Autoridades israelenses condenam ataque e pedem ‘ações concretas’ contra o antissemitismo

Autoridades israelenses condenaram o ataque ao rabino Gabriel Davidovich e pediram a adoção de ‘ações rápidas e concretas’ contra o avanço do antissemitismo no mundo. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu divulgou nota condenando o ataque, manifestando preocupação com o crescimento do antissemitismo em vários países e convocando a comunidade internacional a “agir”.

O ministro da Diáspora, Naftali Bennett, disse que os líderes mundiais não aprenderam as lições do passado. “Pensamentos e orações não são suficientes. É hora da ação”, disse ele em comunicado. “Hoje, os líderes do mundo na Europa, na América do Sul, em todo lugar, estão falhando em sua responsabilidade de assimilar as lições do passado, ao não protegerem as comunidades judaicas de crimes de ódio antissemita”. “Fortalecer Israel é a única resposta [ao antissemitismo]; nossos inimigos deveriam saber que o sangue judeu é valioso”. Bennett pediu às autoridades argentinas que ajam com rapidez para encontrar os responsáveis e puni-los.

O líder do partido Resiliência de Israel, Benny Gantz, também condenou o ataque a Davidovich e prometeu lutar “firmemente” contra o antissemitismo onde quer que ele se manifeste. Seu parceiro político na aliança Azul e Branco, Yair Lapid, líder do Yesh Atid, também disse que “Israel está preparado para lutar contra o antissemitismo a qualquer hora e em qualquer lugar”.

O ministro do Interior, Aryeh Deri, vinculou o ataque a outros incidentes antissemitas e pediu às autoridades argentinas que encontrem e processem os agressores. “O antissemitismo está reorganizando a sua feia cabeça nos países europeus e nos Estados Unidos”, afirmou ele em um comunicado.

O líder do Partido Trabalhista, Avi Gabbay, desejou a Davidovich uma “pronta recuperação” e disse que Israel está “abraçando os membros da comunidade”. “Estamos juntos nesta luta contra o antissemitismo, seja na França, na Argentina ou em qualquer outro lugar onde tentarem nos prejudicar”, disse ele em comunicado.

O presidente da Agência Judaica, Isaac Herzog, estendeu seus votos de rápida recuperação ao rabino e disse que “é imperativo lutarmos juntos contra o lixo humano que é dirigido por seu ódio aos judeus” (Tamar Pileggi e Joshua Davidovich, Times of Israel).