Bombeiros e israelenses acharam 35 corpos e fizeram minuto de silêncio

O tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, rebateu nesta quinta-feira (31) as críticas de que a saída dos militares das tropas israelenses teria sido motivada por problemas com a corporação. Segundo Ahirara, os grupos fizeram um trabalho integrado e, juntos, resgataram 35 corpos da lama de rejeitos após a tragédia em Brumadinho (MG).

Para exemplificar a sinergia entre eles, Aihara afirmou que a cada corpo encontrado pelas equipes de resgate, em vez de fazerem uma oração em respeito à vítima, acordou-se em fazer um minuto de silêncio, devido às diferenças culturais entre brasileiros e israelenses.

Até o início da tarde desta quinta, 99 corpos haviam sido encontrados, e desses, 57 foram identificados. Há ainda 257 pessoas desaparecidas. A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros não atualizaram os números de mortos e devem anunciar novo balanço no fim dos trabalhos de resgate desta quinta.

“É um costume, quando encontramos um corpo, em respeito às crenças dos bombeiros e às vítimas, realizamos uma oração. Nesse caso, como estávamos atuando em equipes conjuntas e existia uma diferença de religião, no intuito de atingirmos um momento que agregasse a todos, ao invés de fazermos uma oração, optamos juntos por, a cada corpo encontrado, fazer um minuto de silêncio entre as equipes”, contou.

Segundo ele, o retorno das tropas israelenses estava previsto para esta sexta, mas foi adiantado para o fim da tarde desta quinta-feira “por questões de voos”.

Antes, o porta-voz da Polícia Militar de Minas Gerais, major Flávio Santiago, havia afirmado que as tropas voltariam hoje porque devem chegar à Israel antes das 18h de amanhã, por motivos religiosos.

Aihara disse ainda que os israelenses ficaram “impressionados com o trabalho” dos bombeiros e que os brasileiros também aprenderam com os visitantes. “Técnicas que eram desconhecidas por nós foram ensinadas [por eles], como desmanche hidráulico, manuseio de equipamentos como georreferenciamento por drones, sonares e alguns tipos de radares, que foram muito importantes para a localização dos corpos”, afirmou.

Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, foi feita na manhã de hoje uma homenagem aos 136 militares israelenses no quartel do 12º batalhão do Exército Brasileiro.

A ajuda de Israel no desastre causado pelo rompimento da barragem da Vale foi oferecida pelo premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, ao presidente Jair Bolsonaro. Além da tropa, o exército também trouxe 16 toneladas de equipamentos para ajudar as autoridades brasileiras nas buscas.