Câmara Brasil-Israel realiza almoço para promover as relações comerciais entre os dois países

A Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria realiza almoço nesta sexta-feira, em São Paulo, com Caio Megale, Secretário do Desenvolvimento da Indústria, Comércio, serviços e Inovação. O objetivo do encontro é propiciar, entre o convidado e o empresariado, um bate-papo franco sobre as perspectivas de desenvolvimento para o país nos diversos segmentos. “Teremos a exposição em torno de 20 minutos e depois, rodada de perguntas”, explica a dinâmica do encontro o presidente da Câmara, Jayme Blay. “O Caio é um homem no Ministério da Economia, respondendo pela inovação”.

Promover palestras como esta, é uma das atividades da Câmara, que faz a ponte entre instituições e empresas interessadas em conhecer Israel e Brasil, com o objetivo de estimular oportunidades de negócios entre os dois países.

Investir em associados para a Câmara é um investimento valioso para o desenvolvimento dos negócios entre os dois países.

A Câmara proporciona aos associados uma agenda de eventos que incluem palestras com profissionais brasileiros e estrangeiros de destaque, com o propósito de oferecer aos participantes a chance de entrar em contato com temas atuais e tendências político-econômicas. “A ideia é sempre a de estimular a interação”, explica Blay.

Entre as ações promovidas pela instituição, estão as missões que levam empresários a Israel. Blay chefiou a missão “Imersão em Inovação e Tecnologia – Israel 2019”, que aconteceu em abril e que contou com a presença de 40 CEOs, presidentes de conselho e empresários que visitaram as principais startups, Universidades e Centros de High-Tech israelenses. As missões empresariais acontecem há muitos anos e são, como frisa seu presidente, “uma ação permanente da Câmara”.

Para incentivar o comércio bilateral, a instituição oferece a empresas um serviço de informações e de pesquisa. E também disponibiliza estatísticas econômicas, análises de dados e informações legislativas em diversos setores, tanto no Brasil quanto em Israel. O órgão também indica empresas de importação/exportação e instituições facilitadoras de comércio internacional em ambos os países.

“Procuramos sempre estimular as relações. As do Brasil e Israel sempre foram boas e duradouras. Já na década de 1960 técnicos israelenses vieram ao Brasil para apontar soluções técnicas para o Vale do São Francisco. E este é só um exemplo. O comércio não vê barreiras para acontecer. Ele se dá independente de governos e ideologias”, finalizou Jayme Blay.