Colunista fala em divisões na comunidade judaica

A coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, publicou hoje comentário do embaixador de Israel, Yossi Shelley, no qual ele critica o posicionamento da Conib com relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro. Shelley diz que o presidente da Conib, Fernando Lottenberg, “tem uma agenda política própria”, fala mal de Bolsonaro e “a comunidade [judaica] não gosta disso”.

Lottenberg diz na coluna que a comunidade judaica “é plural” e que a Conib busca “representar a todos”. A entidade, por exemplo, “vê com bons olhos a posição atual mais equilibrada do Brasil em relação a Israel em organismos internacionais”, diz Lottenberg. Por outro lado, diz ele, “não pode deixar de se posicionar” quando o presidente afirma que o nazismo foi um movimento “de esquerda”.

Por discordar desse posicionamento independente da Conib, Shelley não teria ido ao jantar da 50ª Convenção da Conib no sábado (2) para o qual foi convidado.

Após receber apoios de diversas lideranças e membros da comunidade, Lottenberg divulgou a seguinte declaração:
“A coluna da Mônica Bergamo hoje trouxe notas sobre uma cisão na comunidade e um ataque do embaixador de Israel à Conib. São fatos lamentáveis, que expõem de forma destrutiva e desnecessária a nossa comunidade, num momento tão polarizado do Brasil.

É lamentável que um diplomata israelense ataque a liderança comunitária judaica no país em que está lotado. Estamos na linha de frente da defesa do judaísmo e de Israel no Brasil, sempre. Lamentável também que setores de nossa comunidade continuem cobrando um alinhamento automático com este (ou com qualquer) governo. Como diz o estatuto da Conib, somos uma instituição política, mas não devemos ser uma organização partidária.

A Conib segue onde sempre esteve. Defende a comunidade judaica em toda a sua pluralidade e combate a intolerância e os discursos de ódio. Elogiamos o que é positivo e criticamos o que nos parece equivocado, sem alinhamento automático com quem quer que seja. Nosso único alinhamento é com os valores judaicos e com a defesa de toda a nossa comunidade e das boas relações do Brasil com Israel.

Agradecemos as manifestações de apoio recebidas.
Shalom!”