Comunidade judaica participa do lançamento em Salvador do plano federal Juventude Viva

Representadas pelo rabino Uri Lam, a Confederação Israelita do Brasil e a Sociedade Israelita da Bahia participaram do lançamento no dia 2 de dezembro, em Salvador, do plano federal Juventude Viva, que propõe estratégias de prevenção à violência, ao racismo e à exclusão da juventude negra e de periferia.

A cerimônia contou com a participação, entre outros, dos ministros Gilberto Carvalho, chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, e Luiza Bairros, chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR); e do governador da Bahia, Jaques Wagner. 

"É uma obrigação darmos ao jovem uma alternativa de vida, de atividade cultural, de formação profissional, de lazer. É uma obrigação darmos informações sobre os direitos dos jovens para se qualificarem como cidadãos efetivos", disse Carvalho.

O governador assinou o termo de adesão do Estado ao Projeto Juventude Viva, e declarou: "O grande desafio é diminuir o número de homicídios na Bahia, em particular da juventude negra entre 15 e 29 anos, especialmente do sexo masculino. O crime hoje é uma multinacional do mal."

O evento reuniu no Parque Escola inúmeras lideranças do movimento negro, jovens de colégios públicos e autoridades baianas, e teve apresentações culturais dos jovens da cidade e do Estado, especialmente de hip hop.

A Conib representa a comunidade judaica na SEPPIR desde sua criação, em 2003, e participou da III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, realizada em Brasília, no início de novembro passado.

Na comemoração da festa judaica de Chanucá, esta semana em Salvador, a Sociedade Israelita da Bahia reuniu representantes católicos, islâmicos, espíritas, budistas, evangélicos e candomblecistas.

A Conib também participou do lançamento em São Paulo do plano Juventude Viva, em outubro passado.

Autoridades no lançamento do plano Juventude Viva, em Salvador. Foto: Divulgação.