Conib recebe apoio de entidades, rabinos e membros da comunidade

A Conib e seu presidente, Fernando Lottenberg, receberam inúmeras mensagens de apoio de rabinos, de entidades judaicas e de membros da comunidade, após a coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, ter publicado, em sua edição de ontem, matéria em que o embaixador de Israel, Yossi Shelley, critica o posicionamento da instituição com relação à sua independência política.

O Rabino Nilton Bonder enviou a seguinte mensagem: “Gostaria de me solidarizar com a Conib e sua liderança, na pessoa de Fernando Lottenberg, diante da tentativa de intromissão e intimidação que sofreu. A Conib exerce um papel fundamental na representação e independência da comunidade judaica no Brasil. Tem hoje uma liderança democrática à altura de sua tarefa e dos tempos difíceis de intolerância tanto no Brasil como no mundo. Antes outras entidades usufruíssem de liderança de igual lucidez, sensibilidade e respeito. A comunidade judaica está unida quando é plural, valor medular de sua tradição. A divisão não advém de múltiplos olhares, mas da tentativa de impor consensos”.

O Rabino Michel Schlesinger, da CIP, afirmou: “Assim como praticamos o diálogo inter-religioso, precisamos estar dispostos ao diálogo intra-religioso. A tradição judaica sempre se pautou pela polifonia, pela pluralidade de vozes. Segundo o Midrash, cada pessoa que estava presente no Monte Sinai ouviu a Torá de uma forma distinta, porque cada pessoa é diferente. As palavras do Fernando Lottenberg na 50ª Convenção Nacional da Conib reforçaram a mensagem de diálogo ao qual a Confederação se tem mantido fiel”.

Para o Rabino Yossi Schildkraut, “A Conib é a representante de toda a comunidade judaica brasileira há mais de 70 anos e tem cumprido esse papel com cuidado e responsabilidade”.

O Rabino Uri Lam disse: “Todo apoio ao presidente Fernando Lottenberg. A lucidez com que falou no jantar da convenção foi digno dos mais de 70 anos da Conib. Tive orgulho da nossa comunidade. Aplaudi de pé e aplaudo novamente agora. A democracia e a Torá estavam no Salão Marc Chagall de A Hebraica São Paulo, em plena diversidade. Incluídas tnuot como Habonim Dror e Hashomer Hatzair. Pena que o embaixador perdeu mais uma oportunidade de celebrar um momento tão judaico, sionista e brasileiro. Não somos uma só voz. Somos uma orquestra, um coro de muitas vozes. Yashar coach, Fernando!”

A B’nai B’rith do Brasil, entidade de mais de 85 anos de serviços à comunidade judaica brasileira, enviou carta ao embaixador para manifestar sua solidariedade com a Conib.

O IBI (Instituto Brasil-Israel) também manifestou apoio à Conib e a seu presidente, Fernando Lottenberg: “Acreditamos na defesa incondicional dos valores judaicos e sionistas”. “Lamentamos o uso da diplomacia israelense por políticos, deixando de lado o relevante e sólido trabalho da instituição em defesa do Estado de Israel, gerando uma divisão entre as comunidades judaicas da diáspora e a de Israel”, disse o IBI em nota publicada em sua página no Facebook.

O Observatório Judaico dos Direitos Humanos afirmou que “repudia tentativas de setores de extrema-direita” de “capturar as entidades representativas da comunidade judaica brasileira”.

O acadêmico e especialista em Oriente Médio Samuel Feldberg, disse: “Expresso aqui minha solidariedade a Fernando Lottenberg, presidente da Conib, que vem cumprindo com esmero o trabalho de representar a comunidade judaica”.

A Conib recebeu ainda inúmeras manifestações de apoio de judeus e judias de todo o Brasil em seus endereços eletrônicos, reforçando a convicção de que está no caminho certo da defesa de uma comunidade judaica plural, vibrante, que apoia a tolerância, a democracia e o Estado de Israel.