Farei todo o possível para evitar uma terceira votação, diz Rivlin

O presidente israelense, Reuven Rivlin, votou hoje pela manhã, prometendo fazer todo o possível para evitar uma nova eleição, caso nenhum dos candidatos alcance a maioria necessária de votos, ou não consiga formar uma coalizão de governo.

O presidente divulgou vídeo no Facebook explicando seu papel nos processos eleitorais, enquanto o país vai às urnas pela segunda vez em cinco meses. Ele afirma que “considerará” conceder prorrogação ao candidato escolhido para formar a próxima coalizão “dependendo das circunstâncias”.

Como presidente, Rivlin decide quem deve formar um governo de coalizão quando as urnas forem fechadas e os resultados divulgados. O líder cujo partido obtiver mais votos é tradicionalmente a primeira pessoa a ser escolhida para essa função e, se após o período determinado para a missão, não for possível concluir a tarefa o presidente pode indicar outro líder.

No entanto, após as eleições de abril, diante da perspectiva de outro partido formar um governo de coalizão quando Netanyahu falhou na missão, o partido Likud aprovou uma legislação para dissolver o Parlamento e convocar nova votação nacional apenas algumas semanas após o juramento no Knesset.

“Em 25 de setembro, os resultados finais das eleições serão apresentados pelo CEO do Comitê Central de Eleições, Orly Ades”, diz Rivlin no vídeo.

“Por lei, preciso consultar os representantes dos partidos no Knesset, que vocês podem acompanhar ao vivo e participar, respondendo à pergunta sobre qual membro do Knesset acham que eu deveria dar a missão de formar um governo”, diz ele.

“No final das consultas, terei no máximo sete dias para escolher qual membro do Knesset receberá a honra de tentar formar um governo. Depois de tomar minha decisão, o membro do Knesset escolhido terá 28 dias para formar uma coalizão. Se for solicitado mais tempo, terei que considerar o pedido, dependendo das circunstâncias”. “Por lei, estou autorizado a conceder uma extensão de no máximo 14 dias”, disse Rivlin.

O presidente também disse que se o líder designado não puder formar um governo, ou se o Knesset aprovar uma moção de desconfiança à nova coalizão, ele terá duas opções à sua disposição.

A primeira seria contatar outro membro do Knesset para tentar formar um governo. A segunda opção seria comunicar ao presidente do Knesset (Yuli Edelstein, no caso) que não há outra escolha a não ser realizar outra votação.

Uma terceira opção também seria possível, em que 61 membros do Knesset pediriam ao presidente para dar o mandato a outro de seus membros. Mas esse cenário em particular não aconteceu após as últimas eleições, pois Netanyahu dissolveu o Knesset para que seu principal rival, o líder Azul e Branco, Benny Gantz, não recebesse o mandato de Rivlin.

Em seu vídeo, Rivlin também pediu que todos os cidadãos israelenses saiam de casa para votar, apesar do que ele disse ser compreensível a frustração diante de uma segunda eleição no ano.

“Precisamos lembrar que, no jogo democrático, a única possibilidade de se manifestar é através das urnas”, disse ele.