Federações apresentam ações contra o discurso de ódio

O tema discurso de ódio também envolveu as 14 federações israelitas do Brasil que nesta 50ª Convenção Nacional relataram suas ações junto às autoridades estaduais e municipais em busca de um envolvimento maior com a comunidade judaica.

Algumas federações relataram que após o ataque à sinagoga de Halle, na Alemanha, no dia de Iom Kipur, as autoridades disponibilizaram uma maior segurança na entrada de instituições judaicas.

A Sociedade Israelita do Ceará relatou que após esse ataque a polícia fez uma simulação com esquadrão anti-bomba e as autoridades agradeceram à comunidade judaica pela mobilização diante o recente incidente com o prédio que desabou em Fortaleza.

A Federação Israelita do Estado de Minas Gerais também destacou o engajamento comunitário e o apoio de Israel no rompimento da barragem de Brumadinho.

Outras federações destacaram suas atividades sociais em prol do envolvimento comunitário e no desenvolvimento de projetos educacionais junto às escolas públicas sobre o ensino do Holocausto.

A Federação Israelita do Rio Grande do Sul anunciou que está organizando para o primeiro semestre de 2020 uma nova missão de empresários a Israel.

A Federação Israelita de São Paulo (Fisesp) destacou uma série de ações, em parceria com a Conib, junto a autoridades e a recente criação de um grupo de empoderamento feminino que atua contra a violência doméstica.

Participaram do terceiro dia de debates a FIRS – Federação Israelita do Rio Grande do Sul, Federação Israelita do Estado de Minas Gerais, a Federação Israelita de São Paulo (Fisesp), a Associação Israelita Catarinense, a Federação Israelita do Paraná, a Associação Cultural Israelita de Brasília (Acib), a Sociedade Israelita da Bahia, a Federação Israelita de Pernambuco (FIPE), Centro Israelita do Rio Grande do Norte, Sociedade Israelita do Ceará, Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro, Centro Israelita do Pará (CIP), Comitê Israelita do Amapá e Comitê Israelita do Amazonas (CIAM).