“Foi um evento marcante”, diz secretário-geral do Ministério da Defesa, sobre o Dia do Holocausto

A homenagem da comunidade judaica aos 70 anos da FEB, no Dia do Holocausto, foi muito bem recebida pelas autoridades brasileiras. Ari Matos Cardoso, secretário-geral do Ministério da Defesa, que na hierarquia está logo abaixo do ministro da Defesa, Celso Amorim, enviou ao tenente Israel Blajberg uma mensagem sucinta: “Foi um evento marcante”.

Segundo Blajberg, que foi um dos oradores da noite, militares da reserva, coronéis, tenentes e membros de academias militares também se manifestaram positivamente.  Além dos veteranos da FEB, participou da cerimônia de acendimento das velas o general Adhemar da Costa Machado Filho, chefe do Comando Militar do Sudeste.

A solenidade foi marcante também para outro homenageado: “Amei, fiquei encantado e honrado com o convite”, disse ao boletim da Conib o ator Juca de Oliveira, que recebeu placa da comunidade judaica por seu papel como sobrevivente do Holocausto na novela “Flor do Caribe”, de Walther Negrão.

Para ele, todos os discursos da noite foram de “excepcional conteúdo, que calaram fundo. Aprendi muita coisa”. O ator recebeu o boletim da Conib sobre o evento, publicado nesta terça-feira, e nos escreveu: ”Gratíssimo pelo boletim, que já arquivei entre meus troféus mais queridos”.

A diretoria da Conib ressaltou a magnitude e repercussão do evento:

“Ao mesmo tempo em que homenageamos as vítimas da barbárie, recordamo-nos das lições aprendidas, passando às novas gerações a mensagem de que a liberdade e a democracia são valores fundamentais”, afirma Fernando Lottenberg, secretário-geral da Conib.

“A presença do Presidente da República em exercício, do governador de São Paulo, de políticos dos principais partidos, além do local, o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, aumentaram a representatividade da cerimônia”, avalia Paulo Maltz.

“Quando vemos no ato a presença também da sociedade civil, de religiosos e diplomatas, ficamos esperançosos de que o trabalho comunitário organizado plante sementes sólidas de respeito mútuo entre os diferentes”, acrescenta Mauricio Szporer.

“O evento deu muito destaque a quem merece: os sobreviventes”, completa Boris Ber. “E deve ser ressaltado que muitos deles são assistidos por instituições da comunidade judaica”.

Veja galeria de fotos da cerimônia em São Paulo.


Veteranos da FEB na cerimônia do Dia do Holocausto. Foto: Eliana Assumpção.


À esquerda, o veterano da FEB Raul Kodama, 97 anos. Na Segunda Guerra Mundial, exerceu as funções de cabo motorista da 2a Bateria do III Grupo de Obuses 105mm. À direita, o sobrevivente do Holocausto Aleksander Laks, 85 anos, que resistiu por seis anos em campos nazistas e sobreviveu à Marcha da Morte, entre os campos de Auschwitz e Birkenau, até ser libertado, em 27 de janeiro de 1945. Eles se encontraram em São Paulo, no Dia do Holocausto. Foto: Divulgação.