Irã confirma que vai desenvolver novas centrífugas nucleares ainda mais rápidas a partir de amanhã

O Irã confirmou que irá deixar de lado mais um dos compromissos previstos no acordo sobre seu programa nuclear, assinado em 2015, e que a partir desta sexta-feira dará andamento ao desenvolvimento de novas centrífugas nucleares ainda mais rápidas para o enriquecimento de urânio.

Na prática, isso permitiria o enriquecimento a níveis mais elevados, muito embora o país negue ter qualquer intenção de construir armas nucleares.

O acordo, assinado por Irã, EUA, França, Reino Unido, Alemanha, Rússia e China, estabelecia limites às atividades atômicas iranianas, oferecendo em troca o alívio de sanções econômicas e acesso aos meios usuais de comércio e pagamento internacionais.

O plano funcionou até 2017, mas, depois que assumiu a Casa Branca, o presidente Donald Trump decidiu sair do acordo nuclear em 2018. Logo em seguida, sanções foram retomadas e ampliadas, inclusive sobre as exportações de petróleo.

Em resposta, o Irã pressionou os demais signatários, especialmente os europeus, exigindo contrapartidas para manter o acordo. Com a economia em crise e sem qualquer perspectiva de melhora, Teerã começou, em julho, a abandonar alguns de seus compromissos do acordo. Agora, o país promete abandonar progressivamente o pacto, desenvolvendo novas centrífugas e aumentando os níveis de enriquecimento de urânio.

As autoridades iranianas aumentaram a pressão nesta quarta-feira (4), dando um ultimato aos países europeus para que apresentem uma solução para que o Irã possa vender seu petróleo no exterior depois das sanções norte-americanas.

O presidente Hassan Rouhani reiterou a ameaça de que irá adotar medidas adicionais rompendo o acordo nuclear de 2015 a partir desta sexta-feira e acelerar as atividades nucleares se a Europa não fornecer uma solução para a questão.

“O terceiro passo do Irã é de natureza extraordinariamente significativa”, disse Rouhani na ocasião sem dar detalhes do que exatamente seria isso.

Na tarde de ontem, porém, em declarações transmitidas na TV estatal Rouhani afirmou que, a partir desta sexta-feira, a agência atômica do Irã trabalhará na pesquisa e desenvolvimento de “todos os tipos” de máquinas centrífugas que possam enriquecer urânio mais rapidamente. No entanto, ele disse que as atividades serão “pacíficas” e estarão sob vigilância do órgão de vigilância nuclear da ONU.