Israel vai inaugurar monumento em homenagem a Alberto Nisman

Israel vai inaugurar monumento em homenagem ao promotor argentino Alberto Nísman, que foi morto, com um tiro na cabeça, em janeiro de 2015, quando se preparava para denunciar no Congresso argentino a então presidente Cristina Kirchner por acordo suspeito com o Irã que favorecia ex-funcionários iranianos envolvidos no atentado à organização judaica AMIA, em julho de 1994, em troca de benefícios comerciais à Argentina. Promovida pelo Keren Kayemet LeIsrael (KKL), a homenagem a Nisman está marcada para o próximo dia 18, aniversário da morte do ex-promotor, e contará com a presença de autoridades políticas e diplomáticas, entre elas o embaixador argentino e o presidente da AMIA, além da mãe de Nisman, Sara Garfunkel.

“Não conheci Alberto Nisman, mas desde o primeiro momento entendi a importância de seu trabalho. A homenagem que será prestada e ele não representa apenas um reconhecimento pelo seu trabalho, mas é também um importante legado histórico, para que as futuras gerações possam saber quem foi Alberto Nisman”, disse o vice-presidente mundial del KKL Hernán Felman à agencia de notícias AJN.

A cerimônia em homenagem a Nisman está marcada para às 10:00 horas (horário de Israel), e será liderada pelo presidente do Knesset (Parlamento israelense), Yuli Edelstein. Durante a homenagem, também será plantada uma árvore por ocasião de Tu Bishvat no Bosque Ben Shemen. O monumento terá lugar em local “muito especial para os argentinos”, junto aos locais de lembrança dos atentados à embaixada de Israel e à AMIA, ambos ocorridos em Buenos Aires, em 1992 e 1994 respectivamente, disse Felman. O atentado à AMIA, atribuído a ex-funcionários iranianos, deixou 85 mortos e mais de 300 feridos. Até momento ninguém foi punido pelos ataques.