Justificativa da Polônia para não indenizar judeus é ‘alarmante’, diz presidente do CJM

O presidente do Congresso Judaico Mundial (CJM), Ronald S. Lauder, criticou as declarações do primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, de que indenizar os judeus por bens expropriados na Polônia durante a ocupação nazista seria como dar uma “vitória póstuma a Hitler”.

“Sucessivos governos poloneses recusaram-se categoricamente a reconhecer as perdas materiais dos judeus poloneses e trataram suas casas e outras propriedades como espólios de guerra”, disse Lauder. “E poloneses e instituições polonesas têm lucrado com esses bens por mais de sete décadas”. “Essa relutância em reconhecer que as vítimas do Holocausto e seus herdeiros têm direito a um mínimo de justiça material é chocante”, disse Lauder. “Mas a alegação do primeiro-ministro Morawiecki de que indenizar os judeus por sua propriedade roubada seria ‘vitória póstuma de Hitler’ é alarmante ao extremo”, destacou.

Em comunicado, Lauder pediu a Morawiecki que os explique melhor o comentário, ou se retrate do que disse.

Em convenção de seu partido no fim de semana, Morawiecki disse que a Polônia também foi vítima dos nazistas e que indenizar judeus pelas perdas sofridas durante a ocupação nazista seria como dar uma ‘vitória póstuma a Hitler’. Posteriormente à Segunda Guerra, o regime comunista polonês nacionalizou os bens de judeus confiscados pelos nazistas e lucrou com isso.

Os Estados Unidos também pressionaram a Polônia para que indenize os judeus que tiveram bens expropriados. O presidente Donald Trump assinou decreto há um ano – conhecido como lei 447 -, exigindo justiça e reparação para os sobreviventes do Holocausto e recomendando ao Congresso que acompanhe a situação nos países, incluindo a Polônia, no que diz respeito à restituição de bens de judeus apreendidos durante a Segunda Guerra Mundial.

No ano passado, o governo polonês aprovou uma lei que prevê penas de prisão para quem acusar o país de cumplicidade nos crimes de guerra nazistas, ou se referir a ‘campos de extermínio poloneses’.

No início deste mês, a Polônia cancelou a visita de uma delegação israelense que pretendia ir a Varsóvia para discutir a questão do pagamento de indenizações a judeus pelas perdas sofridas durante a Segunda Guerra.