Juventude judaica de SP tem final de semana de plena atividade

Neste final de semana, a juventude da comunidade esteve em plena atividade. Toda a equipe de educadores da CIP participou de uma jornada de estudo e reflexão, um seminário com o objetivo de aprofundar o conhecimento sobre textos de autores importantes. A temática foi falar sobre a Tefilá(oração), comunidade e Tikun Olam (Conserto do mundo, ou seja, programa de área social). Um dos momentos marcantes foi uma mesa formada por cinco ativistas da comunidade: Marcos Lederman, Mario Fleck, Luciana Z. Mautner, Andrea Kulikovsky e o presidente da Conib, Fernando Lottenberg. Cada um falou de um aspecto particular,  a partir da sua experiência de atuação como voluntário. Fernando Lottenberg endereçou os trabalhos que a CONIB desenvolve em temas nas diferentes áreas da comunidade, na interlocução junto às autoridades, assuntos importantes para a comunidade judaica organizada, além da participação no debate público.

Na sequência, a CONIB, através de seu presidente, esteve presente na inauguração da nova sede do movimento juvenil Hashomer Hatzair. O movimento centenário, que opera no Brasil desde a década de 40, está reabrindo sua sede em São Paulo, fechada desde o ano de 2009. A nova sede leva o nome do escritor Amos Oz e fica nos Jardins, na Rua Caçapava. Este é um projeto conjunto com a Sinagoga Beth-El, demonstrando que parcerias onde todos ganham pode ser uma excelente oportunidade de atuação comunitária. O Hashomer fará parte do trabalho educativo das crianças e dos jovens, e o rabino dará suporte educacional e de conteúdo para a realização das atividades do movimento juvenil, além de apoio institucional por parte da Beth-el para algumas das atividades desenvolvidas pelo movimento.

E no domingo, foi o dia do movimento juvenil judaico sionista “Betar” abrir sua sede na cidade de São Paulo. O Betar está presente no Rio de Janeiro, Porto Alegre e em 12 diferentes países, com sua sede em Jerusalém. Depois de 95 anos de existência, será refundado na cidade de São Paulo e ocupará um andar no Makom. O objetivo é  criar um ambiente em que o jovem judeu paulista possa ter um contato enriquecedor com a comunidade judaica, com o sionismo e com Israel.

Com estas atividades, entre outras, é que os jovens da comunidade judaica organizada demonstram seu engajamento, sua disposição e motivação para fazer sua parte na construção desta comunidade. Sabemos que as experiências desenvolvidas nesta idade são relevantes e ajudam na formação dos futuros lideres comunitários.