Mulher morta em ataque à sinagoga protegeu rabino de tiros

Lori Gilbert-Kaye (foto), de 60 anos, se atirou na frente do rabino para evitar que ele fosse baleado no ataque a tiros neste sábado (27) a uma sinagoga de San Diego, na Califórnia. Ela morreu no hospital.

Além de Kaye, outras três pessoas ficaram feridas quando o assassino invadiu uma sinagoga perto de San Diego e começou a disparar com um rifle de assalto. O local estava cheio, pois era o último dia da Páscoa judaica.

“Ela estava sempre disposta a ajudar quem quer que fosse, fazer tzedaká (caridade) ou uma mitsvá (boa ação) a quem necessitasse”, disse Lisa Busalacchi, sua amiga.

“Não é como se ela desse um milhão de dólares para a construção de um prédio, mas se alguém estivesse doente, ou necessitado, ela era a primeira a perguntar o que poderia fazer para ajudar”, disse Busalacchi à Jewish Telegraphic Agency em entrevista.

Busalacchi disse que Kaye estava profundamente comprometida com a congregação, e recentemente viajou para Nova York para participar do casamento de uma filha do rabino Yisroel Goldstein.

“Lori Gilbert-Kaye é uma heroína judia e será sempre lembrada como tal na história judaica”, disse Naftali Bennett, ministro de Assuntos da Diáspora de Israel, em comunicado. “Ela sacrificou a própria vida, atirando-se no caminho das balas do assassino para salvar a vida do rabino. Tal heroísmo e boas ações não foram atos repentinos da querida Lori , mas foi assim que ela viveu sua vida – no coração de sua comunidade, fazendo constantemente caridade e boas ações aos necessitados”.

Bennett também a chamou de “uma verdadeira heróina de Israel”.

A página de Gilbert-Kaye no Facebook está repleta de posts arrecadando fundos para grupos e pessoas necessitadas. Dezenas de pessoas, a maioria estrangeiros, deixaram mensagens de condolências em seu último post levantando fundos para a instituição de caridade judaica Chai Lifeline, onde sua irmã trabalha como diretora.

O rabino Goldstein, protegido por Lori, foi baleado na mão e perdeu um dos dedos. Ele passa bem, e agradeceu também ao agente à paisana que ajudou a parar o assassino. Segundo o sacerdote, a arma do atirador “milagrosamente falhou” uma das vezes em que ele foi disparar.

Uma criança de 8 anos e o tio dela, de 43, também se feriram com estilhaços de bala. Ambos estão fora de perigo.

O assassino foi preso e a polícia local acredita que ele agiu sozinho. As autoridades acreditam que ele também seja o responsável por um incêndio em uma mesquita na mesma região, há cerca de um mês. Ele vai responder por assassinato e três tentativas de homicídio.