Música flamenca surgiu nas sinagogas da Espanha

 


Sinagoga Santa María la Blanca, em Toledo. Foto eSefarad.

Esta matéria é de 2010, atualizada no dia 26 de fevereiro de 2014, em que Paco de Lucía faleceu, aos 66 anos.

Lenda da música flamenca e um dos maiores guitarristas de todos os tempos, Paco é categórico nessa entrevista, realizada há alguns anos: “Eu pensava que o flamenco estivesse mais ligado aos árabes, mas estou seguro de que o flamenco que fazemos hoje está muito mais vinculado à música que se fazia nas sinagogas sefaraditas”.

Ele conta em vídeo (veja abaixo) que percebeu a grande influência que a música judaica teve no flamenco, após descobrir partituras sefaraditas em Toledo, cidade onde viveu. 

Por muito tempo se acreditou também que a música flamenca tivesse origem cigana. Hoje, a maioria dos autores assegura que os ciganos não tinham tradição musical ao chegar à Espanha, mas aprenderam a tocar rapidamente e com muita habilidade.

O adjetivo “flamenco” teria sido criado pelos judeus espanhóis para denominar aquelas melodias, então religiosas, que seus correligionários que emigraram para a Holanda e Flandres [Flemish é o nome da região norte da Bélgica] podiam cantar no culto religioso, sem medo da Inquisição espanhola. 

Os judeus sefaraditas haviam vivido na Espanha por pelo menos 1.500 anos, até sua expulsão em 1492. 

Clique aqui para ver o depoimento de Paco de Lucía.

Saiba mais sobre a história dos judeus sefaraditas.

OUÇA A CLÁSSICA "ENTRE DOS AGUAS" (que tem 15 milhões de exibições no You Tube).