Nanette Blitz Konig é homenageada em evento no dia em que Anne Frank faria 90 anos

No aniversário de 90 anos de Anne Frank, sua amiga Nanette Blitz Konig, sobrevivente do Holocausto e que também acaba de completar 90 anos, foi homenageada por sua contribuição no combate ao preconceito e discriminação.

O evento, que lotou o Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto no dia 12 de junho, foi realizado pelo Instituto Plataforma Brasil e a Casa Anne Frank, com parceria da Conib (Confederação Israelita no Brasil) da Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), Consulado Geral dos Países Baixos em São Paulo e Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto.

Nanette Blitz Konig é autora do livro “Eu sobrevivi ao Holocausto”, onde narra os dias de terror que passou quando ainda era adolescente. Seu trabalho com a memória sobre o período, tem estimulado jovens por todo o Brasil e do exterior a lutarem por uma sociedade mais justa e igualitária.

Amiga de Anne Frank, foi a última de sua classe a conversar com a jovem, quando se encontraram no campo de concentração Bergen-Belsen. Na ocasião, Anne teria confidenciado à amiga que havia escrito seu diário, que mais tarde tornou-se mundialmente conhecido.

No evento, participantes da Rede Jovem Anne Frank Brasil, entregaram à Nanette uma homenagem da Casa Anne Frank de Amsterdã por sua importante contribuição no combate ao preconceito, discriminação e seu trabalho em prol da memória sobre o período mais sombrio da história da humanidade, do qual ela é uma das poucas sobreviventes. Ela também recebeu um Certificado de Plantio de Árvores no Bosque Brasil em Israel, pelo presidente do KKL Brasil, Eduardo El Kobbi.

Conduzida por Joelke Offringa, do Instituto Plataforma Brasil, a cerimônia contou com discursos de Jacques Levy, da Federação Israelita de Minas Gerais, Reuven Faingold, do Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto, Boris Ber e Karen Didio Sasson, diretora-executiva da Conib, da cônsul Henriëtte Bersee, do Consulado Geral dos Países Baixos e de Salgado Maranhão, que fez a leitura de seu poema em homenagem a Anne Frank.

Em seus discursos, todos destacaram a importância de Anne Frank e de seu diário para a história e memória do Holocausto, bem como da relevância do trabalho de Nanette.

Emocionados, Nanette e seu marido John agradeceram pela homenagem e enfatizaram a importância de “estarmos sempre vigilantes, pois o antissemitismo continua vivo e pulsante”.

Após a cerimônia foi apresentado o documentário “The classmates of Anne Frank”. O filme, produzido por Theo Coster, que também foi colega de classe de Anne no Liceu Judaico, conta a história de cinco jovens sobreviventes da classe de Anne Frank, que moravam, à época da produção do documentário, em diferentes partes do mundo.

Com incansável energia aos 90 anos, Nanette terminou a noite autografando exemplares do seu livro “Eu sobrevivi ao Holocausto”.