Netanyahu pede a países que restabeleçam sanções ao Irã, se o país acelerar enriquecimento de urânio

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu pediu hoje aos países e à comunidade internacional que retomem imediatamente as sanções ao Irã, se o país prosseguir com sua ameaça de enriquecimento de urânio para além dos níveis estabelecidos no acordo nuclear de 2015.

“No caso de o Irã cumprir com suas ameaças e violar o acordo nuclear, a comunidade internacional deve impor imediatamente as sanções anteriormente estabelecidas. Israel não permitirá que o Irã obtenha uma arma nuclear”, reafirmou Netanyahu durante cerimônia em Jerusalém, em homenagem a presidentes e primeiros-ministros israelenses já falecidos.

O anúncio feito hoje pelo Irã colocou mais pressão sobre a Europa para criar novos termos para o acordo nuclear.
Até agora, a Europa não conseguiu oferecer ao Irã uma forma de contornar as sanções dos Estados Unidos, e Netanyahu pediu a outras potências que sigam a liderança dos EUA e se retirem do acordo.

O Irã precisa de 5% de enriquecimento para sua usina nuclear no porto sul de Bushehr e precisa de 20% de enriquecimento para um reator de pesquisa de Teerã, disse Kamalvandi.

Sob os termos do acordo nuclear, conhecido como Plano de Ação Integral Conjunta, o Irã pode manter um estoque de não mais que 300 kg (660 libras) de urânio pouco enriquecido. Kamalvandi disse que passaria o limite de 300 quilos até 27 de junho.