Os números que mostram o avanço do antissemitismo na Europa

O antissemitismo está avançando, e os judeus estão cada vez mais preocupados com o risco de serem perseguidos. É o que mostra uma pesquisa realizada em 12 países europeus. Milhares de judeus entrevistados pela Agência dos Direitos Fundamentais (FRA, na sigla em inglês), da União Europeia, relataram ter sofrido agressões físicas de natureza antissemita no ano passado, enquanto 28% contaram terem sido assediados verbalmente. De todos os países analisados, a França é apontada como aquele que enfrenta os problemas mais graves de antissemitismo.

Alemanha, o Reino Unido, a Bélgica, a Suécia e a Holanda também reportaram incidentes sérios. No dia em que o relatório foi divulgado, a polícia italiana anunciou que estava investigando o roubo de 20 placas em memória do Holocausto. As pequenas placas metálicas —dedicadas a membros de uma família judia, os De Consiglios— foram arrancadas das calçadas de Roma durante a noite. A agência europeia de direitos humanos, sediada em Viena, retrata um cenário em que sinagogas e escolas judaicas requerem segurança especial e “comentários de ódio” se propagam na internet, na mídia e na política, além de instituições de ensino e ambientes de trabalho.

A pesquisa foi divulgada semanas depois de um homem armado ter assassinado 11 pessoas em uma sinagoga na cidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos (Paul Kirby, BBC News Brasil)

O levantamento afirma que os episódios de abuso antissemita se tornaram tão comuns que a maioria das vítimas não se incomoda em relatar os incidentes. Entre as descobertas, estão:

– 89% dos 16.395 judeus entrevistados consideram que o antissemitismo na internet é um problema em seu país.

– 28% sofreram algum tipo de assédio por ser judeu nos últimos 12 meses; 2% foram agredidos fisicamente.

– 47% se preocupam com a possibilidade de serem vítimas de insultos ou assédio verbal de natureza antissemita nos próximos 12 meses; 40% têm receio de agressões físicas.

– 34% evitaram participar de eventos judaicos, pelo menos em algumas ocasiões, por temer pela segurança.

– 38% cogitaram emigrar nos últimos cinco anos por causa de receios de segurança.