Peça relata a fuga de judeus dinamarqueses para a Suécia durante o nazismo

O escritor e cineasta britânico Alexander Bodin Saphir se prepara para lançar a sua primeira peça no próximo dia 9, no Park Theatre, em Londres. Em “O Resgate de Rosenbaum”, inspirada na história de seus avós, Bodin Saphir relata a fuga noturna “milagrosa” de judeus dinamarqueses para a Suécia, em outubro de 1943, durante a ocupação nazista na Dinamarca. “Foi um episódio incrível, que contou com a colaboração do povo dinamarquês e da resistência. Barqueiros arriscaram suas vidas enquanto levavam judeus em seus barcos de pesca sob a escuridão, através das águas geladas do estreito entre a Dinamarca e a Suécia”, diz Bodin Saphir. Ele disse que que passou os últimos 15 anos pesquisando esse episódio. Dos 7.500 judeus que viviam na Dinamarca nesse período, mais de sete mil conseguiram escapar e 472 foram capturados e levados para Theresienstadt.

A peça se concentra em dois amigos de infância – Lars, um historiador, e Abe, um judeu cuja família foi resgatada. Presos em uma tempestade de neve, os dois debatem os eventos do passado na tentativa de solucionar seus mistérios. Fé, identidade, mitos, fatos e milagres são temas explorados na peça, em que a busca pela identidade é o foco principal. O “Resgate do Rosenbaum” já teve trechos encenados em Nova York, Londres e Copenhague, mas esta é sua primeira incursão no teatro, e o jovem dramaturgo diz que a montagem está sendo muito bem recebida. Bodin Saphir admite, porém, estar mais confortável trabalhando como cineasta. Ele escreveu e dirigiu uma série de curtas-metragens, incluindo “Winds of Sand”, sobre um conflito ficcional com elenco e equipe mista de israelenses e palestinos. Através desse trabalho, ele conheceu vários cineastas israelenses, incluindo Tomer Heymann, que o convenceu a produzir e co-dirigir o documentário premiado em 2016 “Quem Vai Me Amar Agora?”, sobre a história dos irmãos Heymann (Anne Joseph, Times of Israel).