Polícia da AP proíbe grupo palestino LGBT de realizar atividades na Cisjordânia

A polícia da Autoridade Palestina proibiu um grupo palestino de direitos LGBT de organizar quaisquer atividades na Cisjordânia e ameaçou prendê-los, dizendo que tais atividades são contrárias aos “valores da sociedade palestina”.

Em uma declaração no sábado, o porta-voz da polícia, Louay Arzeikat, disse que eventos como os organizados pelo grupo Al-Qaws “vão contra e infringem os princípios e valores mais elevados da sociedade palestina”.

Arzeikat também acusou que “grupos suspeitos” estavam tentando “semear a discórdia e minar o estado pacífico da sociedade palestina” e afirmou que a polícia iria perseguir a equipe de al-Qaws e entregá-los às autoridades judiciais se eles obtiverem sucesso.

Ele também pediu aos palestinos para relatar qualquer atividade de al-Qaws, prometendo a confidencialidade dos informantes.

Al-Qaws é uma organização não-governamental criada em 2001 com o objetivo de apoiar palestinos gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e israelenses árabes. O site diz que tem escritórios em Jerusalém Oriental e em Haifa; As forças de segurança da AP não podem entrar nessas áreas, de acordo com os acordos entre Israel e a Organização de Libertação da Palestina.

A declaração da polícia veio depois que al-Qaws disse em sua página no Facebook que havia realizado um encontro na cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia, em 4 de agosto, que discutiu o pluralismo de gênero na cidade.
Na página também dizia que estava planejando realizar um “acampamento gay” em 30 e 31 de agosto em um local a ser anunciado em uma data posterior.

Ele disse que o programa de dois dias “proporciona um lugar para os jovens gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros da Palestina se reunirem, aprenderem sobre os conceitos básicos do pluralismo de gênero e explorarem os diferentes lados da nossa sexualidade humana”.

O grupo afirma que “está na vanguarda da vibrante mudança cultural e social palestina, construindo comunidades LGBTQ e promovendo novas ideias sobre o papel do gênero e da diversidade sexual no ativismo político, nas instituições da sociedade civil, na mídia e na vida cotidiana”.

Embora não existam leis que proíbam atos homossexuais, a comunidade LGBT palestina está em grande parte clandestina devido à repressão familiar, religiosa e governamental, disse uma fonte familiarizada com o assunto, que falou sob condição de anonimato.

Mais tarde, na noite de domingo, al-Qaws condenou a declaração da polícia como “muito infeliz” e pediu às autoridades que se familiarizassem com o seu trabalho.

O grupo notou que a declaração da polícia veio poucas horas depois de “um ataque sem precedentes de dezenas de pessoas nas páginas das mídias sociais da al-Qaws, incluindo ameaças de violência”.

No domingo, o The Times of Israel só conseguiu localizar algumas mensagens ameaçadoras feitas por palestinos nas páginas do grupo al-Qaws. Mas Laith Itmaiza, que costumava trabalhar como jornalista na Quds News Network, escreveu em sua página no Facebook que havia contado 643 comentários escritos na noite de sábado no espaço de três horas pelos palestinos contra a comunidade LGBT.

Haneen Maiki, diretor da al-Qaws, disse ao Ultra Palestine, um site de notícias palestino, que apesar da declaração da polícia da AP, o grupo “continuaria seu trabalho em diferentes partes da Palestina, levando em conta a atmosfera carregada por causa de meios de comunicação e a incitação da polícia, para que não coloquemos em risco nossos ativistas ou amigos”.

Ahmad Harb, comissário-geral da Comissão Independente para os Direitos Humanos, atacou a polícia, dizendo que eles estavam efetivamente pedindo uma ação de vigilância.

“A declaração da polícia palestina a respeito do impedimento da reunião de ‘gays’ e ativistas da organização al-Qaws e ameaçando persegui-los e pedir aos cidadãos que informem secretamente ‘suspeitos’ é muito ruim”, escreveu Harb em sua página no Facebook. “Ele chega ao nível de pedir violência comunitária e incitar um crime.” Muitos entenderam essa declaração como um chamado para derramar sangue e tomar a lei nas próprias mãos, implementando operações de assassinato”.

“Não é assim que os problemas são tratados. Não é assim que a polícia protege seus cidadãos”, acrescentou.