16 de dezembro de 2017 English Español עברית

Conib Logo

A RESPONSABILIDADE DO HAMAS NO CONFLITO EM GAZA

25 Jul 2014 | 13:04
Imprimir

Representante da comunidade judaica brasileira, a Conib compartilha da preocupação do povo brasileiro e expressa profunda dor pelas mortes nos dois lados do conflito em Gaza.

No entanto, não é possível eximir o grupo terrorista Hamas de responsabilidade no cenário atual: os milhares de foguetes lançados contra solo israelense ou as seguidas negativas do Hamas em aceitar um cessar-fogo.

Ignorar a responsabilidade do Hamas pode ser entendido como um endosso à política de escudos humanos, claramente implementada pelo grupo terrorista e que constitui num flagrante crime de guerra, previsto em leis internacionais.

Fatos inquestionáveis demonstram os inúmeros crimes cometidos pelo Hamas, como utilização de escolas da ONU para armazenar foguetes, colocação de base de lançamentos de foguetes em áreas densamente povoadas e ao lado de hospitais e mesquitas.

É imperativo que o Hamas seja desarmado e permita a normalização do cenário político palestino. Lamentamos ainda a política do Hamas de construir túneis clandestinos, em vez de canalizar recursos para investir em educação, saúde e bem-estar da população na Faixa de Gaza.

Além disso, o grupo oprime a população de Gaza e persegue diversas minorias.

 

ESCUDOS HUMANOS

Veja abaixo o pronunciamento a esse respeito do secretário geral da ONU, Ban ki-moon, em Tel Aviv:
 

ONU reconhece que o Hamas usa escudos humanos no conflito em Gaza

“Nenhum país aceitaria foguetes chovendo sobre seus civis, e todos as partes e países têm a obrigação internacional de proteger civis”, disse em 22 de julho, em Tel Aviv,  o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Ele acrescentou:

"Condenamos fortemente os ataques do Hamas com foguetes, e estes devem parar imediatamente. Também condenamos o uso de residências, escolas, hospitais e outras instalações civis para fins militares".

Leia texto na íntegra.


Ban Ki-moon e Binyamin Netanyahu, durante encontro em Israel. Foto: UN.

Não foi só a ONU que reconheceu. O próprio Hamas, com orgulho, disse que sua política de escudos humanos é "eficaz". Não acredita?

Escudos humanos: o próprio Hamas confirma seu uso

Em entrevista à Al-Aqsa TV de Gaza, realizada em 8 de julho, o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, afirma que a política de escudos humanos do grupo “tem se mostrado eficaz” para evitar ataques israelenses e reflete o “caráter corajoso” do povo palestino.


ASSISTA AO VÍDEO.


O governo do Hamas é uma ditadura imposta a Gaza. Alguém se lembra disso?

Na guerra civil palestina, que ocorreu em 2007, o Hamas expulsou a Autoridade Palestina de Gaza. Mais de 600 palestinos morreram. Assim, o governo do Hamas é uma ditadura imposta à força, algo que seus apoiadores parecem ignorar.

Durante o conflito de 2014, o Hamas proibiu os jornalistas de documentarem o abuso de civis em Gaza, situações em que o grupo comprometia a segurança da população para realizar suas operações militares. Um clérigo do Kuwait criticou o Hamas e afirmou:
Você não deve atacar o inimigo, se não tem condições de vencê-lo! . Mas os ativistas pró-Hamas gostam de referir-se ao caráter de resistência do grupo...

O grupo usa todos os seus recursos para comprar mísseis e construir túneis, não para construir hospitais e escolas – muito menos para construir abrigos antiaéreos para sua população, como apontou o Wall Street Journal

 

O causador da guerra é o mesmo que rejeita todas as propostas de cessar-fogo

O Hamas não apenas começou a guerra, como mostrou o Jornal Nacional em 7 de julho, como rejeitou todas as propostas de cessar-fogo. O JN mostrou o exato momento em que o Hamas rompeu o primeiro cessar-fogo, proposto pelo Egito.

Até a Al-Jazeera (será que virou pró-Israel?) apontou os motivos dados pelo Hamas para não aceitar o cessar-fogo: "Nossa batalha contra o inimigo continuará e aumentará em ferocidade". Assim, Israel aceitou a primeira proposta de cessar-fogo; o Hamas, não.

Por outro lado, o Conselho de Direitos Humanos da ONU decidiu investigar Israel por crime de guerra. Mas veja a oipinião de um dipomata da Autoridade Palestina:

Diplomata palestino admite: “Hamas comete crimes de guerra”

O delegado palestino no Conselho de Direitos Humanos da ONU, Ibrahim Khreisheh admitiu em entrevista à TV da Autoridade Palestina que o Hamas está cometendo crimes de guerra, ao disparar fmísseis contra Israel:

"Cada míssil lançado pelo Hamas constitui um crime contra a humanidade, acerte ou não o alvo, porque é dirigido a alvos civis. E alvejar civis é considerado um crime contra a humanidade. Essa é a lei internacional".

Veja vídeo.

 

O diplomata palestino fala com conhecimento de causa. Veja o que o Hamas tem feito nos últimos anos:


Desde 2005, quando Israel se retirou unilateralmente da Faixa de Gaza, o Hamas lançou 11 mil foguetes (os números de 2014 são anteriores ao atual conflito). Fonte: IDF.


O filósofo Denis Lerrer Rosenfield, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, aponta em O Globo e O Estado de S. Paulo que o Hamas utiliza todos os seus recursos em treinamento militar. Leia


Campo de “Estudos” do Hamas, Gaza, junho de 2014. Crédito: Al-Monitor.


Mosab Hassan Yousef, filho do fundador do Hamas contou em entrevista concedida em 23 de julho à CNN, que o grupo terrorista recruta crianças a partir de 5 anos de idade. Assista.

Ele é autor do livro “Filho do Hamas
, que tem edição brasileira.


 

O resultado desta doutrinação desde a infância mostra resultados concretos: Muhammad, um menino de Gaza, teve sua vida salva após ser levado a um hospital em Israel, em 2011. Sua mãe o acompanhou e foi entrevistada pela TV israelense sobre temas como a importância da vida e os valores de muçulmanos e judeus. Apesar de Muhammad ter sido salvo por Israel, ela disse simplesmente: "Espero que ele se torne um terrorista". ASSISTA


Veja como o Hamas está "preocupado" com os civis palestinos:

Enquanto terroristas fogem em ambulância, Israel trata palestinos feridos

Israel tem uma longa história de fornecimento de tratamento médico aos necessitados, especialmente aos palestinos. O Exército montou um hospital perto da fronteira de Gaza para tratar dos feridos  do conflito.

Enquanto isso, terroristas do Hamas fugiram em 22 de julho, em uma ambulância... ASSISTA.

O hospital israelense inclui clínica de emergência, serviços de pediatria e ginecologia, uma sala de parto e internação hospitalar durante a noite, quando necessário. A equipe inclui médicos, enfermeiros, técnicos de raio-x e técnicos de laboratório. Aqueles cujos ferimentos requerem cuidados adicionais são transferidos para hospitais israelenses.

Leia mais.

 

Terroristas fogem em ambulância; Israel trata feridos paletinos. Imagens: IDF.

A Agência das Nações Unidas para Assistencia aos Refugiados Palestinos já encontrou duas vezes misseis em suas escolas e condena veementemente os responsáveis pela ''flagrante violação'' das leis internacionais. Estranhamente, a UNRWA não divulgou foto dos mísseis e os devolveu aos "responsáveis".

Leia.
 

​Mísseis do Hamas em escolas da ONU


LEIA

Genocídio?

Muitos apoiadores do Hamas acusam Israel de "genocidio". No entanto, dados da ONU mostram que a violencia em muitos outros países, incluido o Brasil, é maior:

ONU mostra que violência é maior no Brasil que nos Territórios Palestinos

Relatórios da ONU do ano de 2013 mostram dados bastante interessantes sobre os Territórios Palestinos, que "destoam" da ladainha dos apoiadores do Hamas de que ocorre um "genocídio" na Faixa de Gaza. Direto aos números:

PROBABILIDADE DE MORRER ENTRE 15 E 60 ANOS (2010-2015)

Territórios Palestinos: 118,4 por mil

Egito: 156,5 por mil

Brasil: 165,2 por mil

Leia texto com mais dados.

Taxas de mortalidade.

Vejamos os dados sobre taxas de natalidade:
 

CRESCIMENTO ANUAL DA POPULAÇÃO (2010-2015)

Territórios Palestinos: 2,8% (uma das mais altas taxas do mundo)

Egito: 1,7%

Brasil: 0,8%

 
Last, but not least:
 

Leia a Carta do Hamas e apoie-o se for capaz


A Carta (Estatuto) do Hamas, publicada em 1988, contém, entre muitas, as seguintes pérolas:

Introdução “Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer a todos aqueles que existiram anteriormente a ele.”

Art. 11 "O Movimento de Resistência Islâmica sustenta que a Palestina é um território de Wakf, (legado hereditário) para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição".

Art.13 “Iniciativas de paz, propostas e conferências internacionais são perda de tempo e uma farsa. Não há solução para o problema palestino a não ser pela Jihad (Guerra Santa)”

Art. 15 “Em Seu nome, que guarda a alma de Maomé em Suas mãos, quero me lançar no ataque em prol de Alá, e ser morto, para atacar de novo e ser morto, e atacar de novo e ser morto”.

Art. 32 "Planejamos a inimizade e ódio entre os judeus, até o Dia da Ressurreição. Eles procuram espalhar o mal sobre a terra, e Alá detesta quem faz o mal."

BOA LEITURA.





Comentários


Últimas do blog

Vídeos