Psicóloga analisa relatos de sobreviventes do Holocausto e transforma o leitor em testemunha

O esclarecimento da história do Holocausto e do nazismo merece constante atenção da Conib. A entidade apoia a publicação do livro “Holocausto: Vivência e Retransmissão” (Editora Perspectiva), da psicóloga e professora Sofia Débora Levy, que é sua representante no CNPIR- Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

A obra traz os relatos de sobreviventes da barbárie nazista amparados por referências históricas e culturais, que os inserem na contemporaneidade e transformam também o leitor em testemunha.

Sofia Levy entrevistou Abraham Warth, Aleksander Henryk Laks, Chaim Najman, Edward Heuberger, Kurt Homburger, Lejbus Brener, Leon Herzog, Maria Yefremov, Roza Rudnic e Simone Goldring Soares, todos radicados no Rio de Janeiro.

O ponto de partida para o trabalho é o questionamento, pela autora, do seguinte comentário: “Os judeus teriam se deixado levar como gado para o matadouro”. Na obra, ela procura compreender a “situação de não seres que lhes foi imposta: a perda de referências – espacial, social, familiar e de legitimação social – conduz a uma percepção alterada da realidade, que prejudica a capacidade de resposta e leva a um estado de choque”.

Nas palavras de Lyslei Nascimento, da Universidade Federal de Minas Gerais, “o olhar sensível da pesquisadora convida o leitor a entrar em um vasto território de dor e de limite, colocar-se no lugar do outro e, sob sua pele, compreender as razões de sua dor”.

No momento em que o Brasil reconhece a importância e a obrigatoriedade do ensino do Holocausto nas suas escolas, o livro de Sofia Levy serve como fonte primária de referência para professores e pesquisadores.

No Rio de Janeiro, o livro será lançado em 13 de fevereiro de 2014, às 20h, na Livraria Travessa, Av. Visconde de Pirajá, 572, em Ipanema. A obra também será lançada em São Paulo, com dia e local a serem definidos.

Sofia Levy é autora, também, de "Sobre Viver – oito relatos antes, durante e depois do Holocausto por homens e mulheres acolhidos no Brasil" (Relume-Dumará, 2006) e organizadora de "Atrás das minhas pegadas", de Abraham Warth (Garamond, 2006). Ela atua no CNPIR desde março de 2011. O Conselho é um órgão de caráter consultivo, integrante da estrutura da SEPPIR- Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, e que tem por finalidade propor políticas de igualdade racial.