Revista francesa de extrema direita que pregava ‘ódio a judeus’ tem conta suspensa no Twitter

A conta de uma revista semanal de extrema direita da França no Twitter foi suspensa após uma onda de críticas contra o conteúdo antissemita da publicação. O poder público e associações pediam à rede social que tomassem providências contra o semanário Rivarol, acusado de impulsionar o discurso de ódio contra judeus na web.

Em tuíte de 13 de fevereiro, agora inacessível dada a suspensão da conta, a revista apontava entender o ódio de “todos os povos” pela comunidade judaica. A publicação somava quase 6,5 mil seguidores no Twitter.

“Quando eu era criança, não entendia por que os judeus foram odiados por todos os povos (…) Hoje nem sequer me faço essa pergunta. Ou melhor assim: me pergunto por que não foram ainda mais [odiados]”, dizia a mensagem na rede social.

Representantes do poder público e de associações ligadas à luta contra o antissemitismo na França celebraram o veto do semanário na plataforma.

“A conta de Twitter @RivarolHebdo finalmente foi suspensa pelo Twitter graças à mobilização contra os discursos de ódio”, anunciou o delegado interministerial de Luta contra o Rascismo e Antissemitismo, Frederic Poitier.

A presidente da União de Estudantes Judeus na França (UEJF), Sacha Ghozlan, destacou à agência France Presse que a suspensão da revista na rede é “uma vitória importante”. Segundo ele, a Rivarol “semea há anos ódio contra judeus”.

A França encara o avanço dos registros de ataques antissemitas. O número de atos do tipo quase dobrou no último ano, segundo o governo francês. Passou de 311 em 2017 para 541 em 2018 — um aumento de 74%, nas contas do Ministério do Interior do país. Diante do pico de intolerância, o primeiro-ministro Édouard Philippe anunciou um vasto plano contra o antissemitismo e o racismo no ano passado, que incluiu uma luta coordenada contra o ódio online por toda a Europa.