Uma semana antes da eleição, Netanyahu promete anexar assentamentos, se eleito

Em declarações transmitidas hoje pela televisão israelense, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que pretende anexar todos os assentamentos na Cisjordânia, incluindo o Vale do Jordão, se for eleito nas eleições do próximo dia 17.

“Quero de vocês um mandato claro (nas urnas) para colocar a soberania israelense em todos os assentamentos”, disse ele, diante do cenário eleitoral incerto.

Pouco antes, David Elhayani, chefe do conselho regional do Vale do Jordão, agradeceu a Netanyahu pelo “momento histórico para o Estado de Israel”, após especulações de que o primeiro-ministro pretendia anunciar a anexação da região.

Pela manhã, quando Netanyahu prometeu que faria um “anúncio bombástico” às 17 horas (hora local), a Casa Branca anunciou que o secretário de Estado, Mike Pompeo, informaria a imprensa sobre as decisões de Netanyahu.

Os sucessivos governos israelenses já vinham advertindo há muito tempo que nunca abririam mão do controle sobre o Vale do Jordão – na fronteira entre Israel e a Jordânia. E ambos os líderes dos dois principais partidos que concorrem nesta eleição – Netanyahu e Benny Gantz, da Aliança Azul e Branco – disseram que o vale do Jordão permanecerá para sempre como parte de Israel.

Líderes políticos rivais criticaram o anúncio de Netanyahu. Benny Gantz e Yair Lapid criticaram o “golpe eleitoral” do premier, enquanto o ex-primeiro-ministro e candidato do novo partido Israel Democrático, Ehud Barak, qualificou a iniciativa como uma manobra de Netanyahu para vencer as eleições. “Netanyahu é bom em falar, menos bom em fazer”, disse ele ao Canal 12. “Essas são todas notícias falsas”, acrescentou.

O Yamina também criticou o anúncio do premier: “Netanyahu explicou esta noite por que os eleitores devem votar em Yamina e não no Likud”, disse o partido em comunicado, explicando que o anúncio da anexação de Netanyahu não será suficiente (para garantir a vitória dele nas urnas).