21 de agosto de 2017 English Español עברית

Conib Logo

Palestina enfrentou a Austrália, em 1939. E todos os seus jogadores eram judeus...

13 Ago 2015 | 13:39


Palestina (camisa mais clara - no destaque, o capitão Avraham Reznik) x Austrália, em Sydney, 8 de julho de 1939. Reprodução.

Muitos fatos sobre o conflito israelo-palestino não aparecem nos livros de história. Outros tantos são usados como forma de desinformação. O que temos aqui se encaixa nos dois casos.

Em 1939, a seleção da Palestina fez uma excursão de cinco meses à Austrália, que teve grande repercussão na mídia local. Na internet, temos acesso a fotos, reportagens, um vídeo de ótima qualidade de um dos jogos. E também páginas e mais páginas palestinas que usam este vídeo como “prova” de que existiu um Estado palestino. Vejamos.

Como aponta Richard Henshaw, em “The Encyclopedia of World Soccer”, o futebol foi introduzido na Palestina pelos militares britânicos durante a ocupação do território na Primeira Guerra Mundial. Depois da guerra, o desenvolvimento do esporte foi continuado por "judeus europeus que haviam conhecido o futebol em seus países de origem". Os árabes palestinos, especificamente os de crença islâmica, se abstiveram de participar nesta face inicial, devido à sua resistência a "instituições culturais ocidentais".

A Eretz Israel Football Association foi fundada em agosto de 1928 e aceita pela FIFA em 6 de junho de 1929. Portanto, judeus representavam a Palestina. Você viu algo a respeito em seu livro de história?

Em 1939, a seleção palestina fez uma excursão de cinco meses à Austrália. Foram 19 jogos, entre junho e agosto de 1939. Cinco deles contra a seleção da Austrália, o restante contra clubes locais. As viagens de navio (ida e volta) tomaram dois meses. A viagem de volta teve escalas alteradas, devido ao início da Segunda Guerra Mundial. Três jogadores ficaram na Austrália para se alistar no Exército. Dois deles morreram em combate contra os japoneses na Nova Guiné.

Segundo Henshaw, nos jogos internacionais da seleção palestina, três hinos eram tocados: o britânico, o judaico (e futuro de Israel) "Hatikvah" e o da equipe adversária.

A escalação da seleção palestina não deixa dúvidas: Sidi, Reznik (capitão) e Beth-Halevy, Lieberman, Fuchs e Menahem, Shulamson, Werner, Neufeld, Machlis e Ginsburg. Uma linha para judeu nenhum botar defeito (nossa suposição é que eles atuavam no 2-3-5, como a seleção da Itália, campeã da Copa de 1938). E não podemos esquecer: em várias partidas, Alembik entrou no lugar de Shulamson - provável opção tática do treinador palestino, Egon Pollak.

Note-se que as manchetes da mídia australiana traziam fotos dos palestinos com a Magen David na camisa (veja logo abaixo), o que deixa claro que os judeus palestinos de 1939 também eram parte do povo palestino. Afinal, em 1939 (e nos 1.804 anos anteriores) o termo Palestina referia-se à região cujo nome havia sido imposto pelo imperador romano Adriano à então província da Judeia, no ano 135 da Era Comum. Palestina sempre foi o nome de uma região geográfica, assim como Sibéria e Patagônia. A própria Partilha da Palestina pela ONU, em 1947, decidiu pela criação de um Estado judeu e um Estado árabe – e não palestino. Pois se o território da Palestina seria partilhado, os dois Estados advindos desta Partilha seriam obrigatoriamente palestinos, o árabe e o judeu. Fato: o Estado judeu palestino é Israel; os árabes não aceitaram a Partilha e, nas muitas guerras que se seguiram após a fundação de Israel, mostraram que estavam mais preocupados em destruí-lo do que em construir o seu Estado.

Palestinos entram em campo para o segundo match contra a Austrália, realizado em 15 de julho de 1939, no Exhibition Ground, em Brisbane. A Austrália venceu por 2 a 1; Neufeld fez o gol palestino. Em destaque, além da Magen David, o goleiro-galã Sidi. Foto: ozfootball.
 

Mas é o filme da British Pathé, produtora britânica criada em 1910, que merece atenção especial. Entre seus pontos altos, o cumprimento dos capitães no toss (foto no topo da página), o entusiasmo do locutor ao constatar que “os palestinos atacam de forma brilhante” [0:40 min], sabendo que eles são judeus...

Faltou às páginas e mais páginas palestinas darem um pause no momento do toss [0:03 min] para saber quem representava o ”Estado palestino”, cuja “existência” em 1939 o vídeo “prova”. O fato: esta é uma seleção do Mandato da Palestina sob administração britânica, com jogadores judeus, quase todos do Maccabi Tel Aviv. E o momento do toss mostra sua alegria em representar a Palestina.

ASSISTA a trechos do primeiro dos cinco jogos Palestina vs. Austrália, em 8 de julho de 1939 no Sydney Cricket Ground, para um público de 14.896 amantes do bom futebol, que viram a Austrália vencer por 7 a 5 (o vídeo mostra o fatídico sétimo gol). Mas nem tudo é tristeza: em 22 de julho, no mesmo estádio, a Palestina venceu por 2 a 1, gols de Ginsberg e Neufeld (sempre ele), perante 6.975 incrédulos australianos. 

Por fim, numa licença poético-histórica, pode-se conjecturar que os judeus desta seleção não foram boicotados, porque eram... palestinos!

Para a posteridade: seleção palestina em foto de 10 de julho de 1939, com sua Magen David. O último à direita, em pé, é Egon Pollak. Na outra ponta, o manager G. Arazi. O capitão Reznik é o segundo à esquerda, na fila do meio. O goleiro Sidi, no primeiro plano à esquerda, faz pose de galã. Foto:ozfootball.





Comentários


Últimas do blog

Vídeos