Yad Vashem vai inaugurar novo centro subterrâneo para abrigar documentos e objetos do Holocausto

Em cerimônia inédita por ocasião de Yom HaShoa, que neste ano cai na noite de 1º de maio até o pôr do sol de 2 de maio, uma nova estrutura climatizada de 5.880 metros quadrados será inaugurada no Yad Vashem, em Jerusalém, para abrigar documentos e objetos do Holocausto. A nova área “permitirá através do controle e supervisão um clima ambiente necessário para a conservação e preservação dos objetos”.

Os mais de 210 milhões de documentos, 500.000 fotografias, 131.000 testemunhos de sobreviventes, 32.400 objetos e 11.500 obras de arte nas coleções do Yad Vashem testemunham a história dos que perderam a vida e dos sobreviventes do genocídio dos nazistas.

“Os nazistas alemães estavam determinados não apenas a aniquilar o povo judeu, mas também a destruir sua identidade, memória, cultura e herança”, disse o presidente da Yad Vashem, Avner Shalev, em comunicado à imprensa.

“Para muitos, tudo o que resta é uma obra de arte preciosa, um objeto pessoal que sobreviveu com eles, uma fotografia de família, um diário ou uma simples carta. Ao preservar esses itens preciosos – que são de grande importância não apenas para o povo judeu, mas para toda a humanidade – e expô-los ao público, eles serão a voz das vítimas e dos sobreviventes, e servirão como uma memória eterna”.

O Yad Vashem, o World Holocaust Remembrance Center, foi fundado em 1953. Hoje, seus arquivos estão lotados de documentos e corriam o risco de se deteriorar pela ação do tempo e pela falta de um ambiente adequado para manter a conservação.

O aumento do número de documentos é, em parte, devido a uma campanha de oito anos – “Gathering the Fragments” – que incitou o público a doar ao museu objetos relacionados ao Holocausto.

O museu também pretende “simplificar o processo de recebimento, preservação e catalogação de itens coletados com o objetivo de torná-los acessíveis ao público”. Além de espaços climatizados mais amplos para o armazenamento de documentos, o centro incluirá laboratórios de preservação de alta tecnologia, que aparentemente serão acessíveis de alguma forma aos visitantes.

De acordo com um porta-voz do Yad Vashem, há outras mudanças previstas, como uma reforma em seu auditório e a inauguração de um novo espaço para famílias e crianças.

A construção e o restauro em toda a área do museu devem estar concluídos até o verão de 2021. Segundo o Yad Vashem, o financiamento está garantido para a maior parte do projeto. O instituto afirma estar confiante de que conseguirá o restante da verba necessária para concluir o projeto.

“Afinal, o Holocausto é uma história muito particular, com um profundo significado universal”, observou Shalev.