Arquivo Pessoal

Aluna do município de Tauá, no Ceará, fala à CONIB sobre o concurso de redação que venceu com o tema a banalização do Holocausto

A banalização do Holocausto nos dias atuais e os efeitos na sociedade moderna foi o tema do concurso de redação que premiou alunos do ensino médio do estado do Ceará. Ao todo, 23 alunos saíram como vencedores da etapa regional, tendo como premiação um smartphone para cada um deles. Os autores dos três melhores textos, vencedores da etapa estadual, ainda foram contemplados com notebooks, mas o texto escrito pela aluna Maria Lorrany Pereira Alves de Oliveira, de 17 anos, da Escola Estadual de Educação Profissional Monsenhor Odorico de Andrade, do município de Tauá, foi eleito o vencedor do concurso “Redação Enem: chego junto, chego a 1.000”. Em entrevista à CONIB, a jovem falou sobre seus sentimentos ao escrever o texto e sobre o que pensa sobre Holocausto e antissemitismo.

O que você sentiu quando escreveu a redação?

R: Senti que este tema era muito importante, pois ele traz um acontecimento que marcou a história de um povo. Em cada palavra, em cada linha que escrevi coloquei toda a minha emoção e responsabilidade de escrever sobre um tema tão marcante.

O que representou para você vencer o concurso?

R: Fiquei muito feliz e também surpresa por ter vencido o concurso e por representar a minha escola e minha cidade. O concurso me mostrou que com disciplina e foco nos estudos podemos alcançar os nossos objetivos.

O que pensa sobre a banalização do Holocausto e o antissemitismo?

R: Para mim a banalização do Holocausto é algo que deve ser mitigado da nossa sociedade, pois além de ter sido um marco muito triste na história da humanidade, a banalização do mesmo é uma falta de respeito para com as pessoas que perderam seus familiares. Os judeus devem ser respeitados pela sociedade, pois somos todos iguais e nenhuma crença, tradição ou modo de viver de um povo deve ser colocado como superior às demais.  O preconceito e o sofrimento que este povo sofreu no decorrer da história nunca se apagará. Mas se cada um respeitar uns aos outros, podemos mudar o rumo desta história, fazendo com que isto nunca mais volte a acontecer.

Diva Lima, que é orientadora da Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE 15 – e que participou da comissão que premiou a redação de Maria Lorrany falou à CONIB sobre a escolha: “O que mais me chamou atenção (na redação de Lorrany) foram os argumentos irrefutáveis e bem contextualizados trazendo uma abordagem coerente, sensível e muito pertinente do tema. A redação apresenta um rico repertório argumentativo de fundamentação sociocultural; a proposta de intervenção para solução da problemática muito bem pensada e ancorada em dois pilares: governo e educação”.

O concurso é uma das ações do Enem Mix e a iniciativa é resultado da parceria entre a Fundação Demócrito Rocha (FDR) e a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), que têm como objetivo preparar estudantes da rede pública estadual para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).