Após ataques a bases americanas no Iraque, Trump anuncia que vai impor novas sanções contra o Irã

Falando à nação ao lado de autoridades de alto escalão, incluindo o vice-presidente Mike Pence, o secretário de Estado Mike Pompeo e o secretário de Defesa Mark Esper, o presidente Donald Trump declarou: “Enquanto eu for o presidente dos EUA, o Irã nunca terá armas nucleares”.

Trump disse que o Irã está “se acalmando”, em um sinal de diminuição nas tensões entre Washington e Teerã. O presidente disse ainda que Washington vai impor novas sanções contra o Irã em breve e que a pressão econômica é a melhor arma contra o país.

Trump confirmou que nenhum americano ou soldado aliado foi ferido nos ataques iranianos a bases militares no Iraque na noite de ontem.

“O Irã tem sido um grande patrocinador do terrorismo. Nunca deixaremos isso acontecer”, afirmou ele ao lado da cúpula militar dos EUA. Trump disse que o comandante Suleimani “deveria ter sido removido há muito tempo”.

O presidente falou nesta quarta-feira horas depois de o Irã ter lançado uma série de ataques com mísseis contra bases americanas no Iraque em retaliação à ação aérea americana que matou, na semana passada, em Bagdá, o comandante iraniano Hassen Suleimani.

O presidente americano destacou a superioridade militar dos EUA, mas disse que não quer usar esse poder, e que pressionar o Irã usando a força econômica dos EUA é uma opção melhor. “Nossas forças estão preparadas para qualquer coisa”, disse Trump.

Os ataques a bases americanas no Iraque foram os mais fortes golpes contra os Estados Unidos desde a invasão da embaixada americana em Teerã em 1979. A TV estatal iraniana afirmou que a ação era em represália pelo assassinato do general Qassem Soleimani.

Informações divulgadas pouco antes no Ynet News indicaram que Teerã alertou antecipadamente sobre os ataques ao governo iraquiano e às forças militares estrangeiras. A ausência de baixas nos ataques parece comprovar a informação e pode sinalizar que o Irã não está interessado em aumentar a tensão com Washington – pelo menos por enquanto – e isso pode dar a Trump uma abertura para acalmar as relações com o país e afastar a possibilidade de uma guerra. Trump, que está buscando a reeleição no final do ano, fez campanha com a promessa de impedir que os Estados Unidos se envolvam em “guerras sem fim” no Oriente Médio.

Poucas horas antes dos ataques iranianos desta terça-feira à noite, o presidente disse a repórteres no Salão Oval da Casa Branca: “Se o Irã fizer algo que não deveria, eles sofrerão as consequências e com muita força”.

Trump e as principais autoridades de segurança nacional justificaram o ataque aéreo que matou Suleimani, alegando a ameaça que ele representava para as forças americanas no Iraque.

“Ele não é mais um monstro. Ele está morto”, disse Trump. “E isso é bom para muitos países. Ele estava planejando um grande ataque contra nós e outras pessoas, e nós o impedimos, e acho que ninguém pode reclamar disso”.