Autoridade Palestina, Egito e ONU pressionam por cessar-fogo

A Autoridade Palestina, com sede na Cisjordânia, está em contato com o Egito e as Nações Unidas para, juntos, pressionarem por um cessar-fogo entre Israel e grupos terroristas na Faixa de Gaza, disse Azzam al-Ahmad, uma autoridade do Fatah e da Organização de Libertação da Palestina (OLP).

“Estivemos em contato com a inteligência egípcia e com as Nações Unidas para pressionar por uma restauração da calma e pelo fim do derramamento de sangue”, disse Ahmad ao The Times of Israel por telefone.

No ano passado, os Serviços de Inteligência do Egito e o Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Nickolay Mladenov, intermediaram um cessar-fogo não oficial entre Israel e os grupos terroristas.

Funcionários da inteligência egípcia e Mladenov visitam frequentemente Gaza para reforçar a necessidade de manutenção dos acordos de trégua.

Autoridades egípcias, que falaram sob condição de anonimato, confirmaram que o país está tentando diminuir as tensões entre Israel e os grupos terroristas. As autoridades acrescentaram que o Serviço Geral de Inteligência do Egito intensificou as comunicações e “abriu canais” com os EUA e a União Europeia.

Apesar dos apelos à calma, altos funcionários da Jihad Islâmica disseram que a “resposta real” contra a morte de Abu al-Ata ainda não chegou, segundo informou o Canal 12. Um porta-voz da Jihad Islâmica disse que os ataques só vão parar “quando concluirmos nossa resposta”.”Não estamos falando de mediação, não é apropriado falar sobre isso agora. Quando completarmos nossa resposta, será possível falar sobre acalmar as coisas”, disse o porta-voz.

Grupos terroristas dispararam de Gaza cerca de 300 foguetes e morteiros contra o centro e sul de Israel nesta terça-feira – 90% deles foram interceptados pelo sistema de defesa, segundo informou o exército. As Forças de Defesa de Israel (IDFs) afirmaram que foram realizadas uma série de ações em Gaza em resposta ao lançamento de foguetes a para impedir que os combatentes da Jihad Islâmica lancem novos ataques.