Avichai Mandelblit anuncia que Netanyahu será julgado por suborno, fraude e quebra de confiança. Primeiro-ministro classifica ação como tentativa de golpe

O procurador-geral Avichai Mandelblit anunciou nesta quinta-feira que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu será acusado em três casos distintos contra ele, incluindo suborno na investigação de corrupção da Bezeq.

A decisão marca a primeira vez na história de Israel que um primeiro-ministro em serviço enfrenta acusações criminais, lançando uma sombra pesada sobre Netanyahu, nome há mais tempo no cargo na história do país, e suas contínuas tentativas de permanecer no poder.

De acordo com a acusação completa divulgada pelo Ministério da Justiça, Netanyahu será acusado de fraude e quebra de confiança nos casos 1000 e 2000, e suborno, fraude e quebra de confiança no caso 4000, informou a promotoria em comunicado.

Mandelblit falou à imprensa em seu escritório em Jerusalém às 19:30 (hora de Israel) para anunciar formalmente as acusações.

Ele disse que era “um dia difícil e triste” e afirmou que sua decisão foi tomada “com o coração pesado, mas também sem hesitação”.

“Nos assuntos referentes ao primeiro-ministro, descobri que havia evidências apontando ações graves supostamente cometidas, que têm uma probabilidade razoável de condenação”, disse Mandelblit. “Por esse motivo, é meu dever, por lei, indiciar. Não é uma escolha. É uma obrigação. Assim é no caso de qualquer cidadão, e assim eu agi aqui”.

“A aplicação da lei não é opcional. Não é uma questão de política. É um dever que cabe a nós… Não fomos influenciados por calúnias de todos os lados e agimos apenas para fazer cumprir a lei”, disse ele, referindo-se às críticas de apoiadores de Netanyahu que acusaram os promotores de realizar uma caça às bruxas para destituir o primeiro-ministro.

Ele chamou as acusações e “muitas mentiras” de “perigosas” e disse que os propagadores de tais alegações estavam “brincando com fogo”. “Devem parar. Peço a todos e, em primeiro lugar, aos líderes do estado, que vocês se distanciem do discurso que ameaça as autoridades policiais. Não somos infalíveis ou acima das críticas. Mas agimos sem medo ou preconceito, pelo Estado de direito”.

Mandelblit enfatizou que Netanyahu permanece inocente até que se prove que ele é culpado.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu classificou as acusações de corrupção apresentadas contra ele “uma tentativa de golpe” contra um primeiro-ministro em exercício.

“Isso é o que eles chamam de investigação pessoal”, disse Netanyahu durante um comunicado na televisão. “Eles estão derramando meu sangue e o sangue da minha esposa e filhos.”

“Não permitirei que as mentiras vençam”, disse ele. “Continuarei a liderar este país, de acordo com a letra da lei.”

O Likud de Netanyahu pediu aos ativistas do partido que se reunissem do lado de fora da residência do primeiro-ministro em Jerusalém para expressar seu apoio.