Chefe do programa nuclear iraniano morre em atentado em Teerã

O chefe do programa nuclear iraniano, Mohsen Fakhrizadeh, foi assassinado em Damavand, a leste de Teerã, segundo informou o noticiário iraniano local nesta sexta-feira.

“O pai da bomba iraniana”, como era conhecido, teria sido morto em ataque a tiros a seu carro.

A televisão estatal iraniana informou inicialmente que ele havia sido ferido em atentado, mas logo depois autoridades iranianas confirmaram a sua morte.

Fakhrizadeh era um oficial sênior do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) e chefiava o projeto de armas nucleares do Irã. Ele foi professor de física na Universidade Imam Hussein em Teerã e chefe do Centro de Pesquisa em Física do Irã (PHRC).

“Infelizmente, a equipe médica não conseguiu reanimá-lo e o cientista alcançou o alto status de martírio após anos de esforço e luta”, afirmou um comunicado das Forças Armadas do Irã divulgado pela mídia estatal.

A Fars e a agência de notícias Tasnim, ambas próximas a fontes de segurança, disseram que o ataque foi executado por “terroristas que atiraram de um carro em movimento contra o carro de Fakhrizadeh”.

O comandante da Guarda Revolucionária do Irã escreveu no Twitter que o Irã vingará a morte de cientistas como fez no passado.

Fakhrizadeh liderou o chamado programa “Amad” ou “Esperança”, que Israel e outros países apontaram como um projeto destinado ao desenvolvimento de armas nucleares. A Agência Internacional de Energia Atômica afirma que o programa “Amad” terminou no início dos anos 2000. Seus inspetores agora monitoram as instalações nucleares iranianas.

Mas Netanyahu disse em 2018 que Fakhrizadeh continuava a liderar tais esforços secretamente sob a sigla de SPND, “uma organização dentro do Ministério da Defesa do Irã”.