Com 5.523 novos casos de coronavírus, Israel vai antecipar fechamento de escolas

Com 5.523 novos casos de coronavírus, as autoridades israelenses decidiram antecipar para amanhã o fechamento das escolas inicialmente previsto para sexta-feira, véspera do Rosh Hashaná (o Ano Novo judaico).

A educação especial e os programas para jovens em situação de risco continuarão funcionando.

A mudança ocorreu a pedido do diretor de crise do coronavírus, professor Ronni Gamzu, que enviou uma carta ao ministro da Saúde Yuli Edelstein e ao ministro da Educação Yoav Gallant nesta terça-feira solicitando o fechamento imediato das escolas.

“O governo tomou a decisão errada, contra as recomendações profissionais”, disse Gamzu em sua carta aos ministros. “Além disso, estamos vendo um aumento nos casos de infecção”.

Uma em cada 10 pessoas testadas para o novo coronavírus na terça-feira apresentou resultado positivo, informou o Ministério da Saúde na segunda-feira. Havia 535 pessoas em estado grave, incluindo 138 usando ventiladores. O número de mortos aumentou para 1.147.

Em entrevista ao Times of Israel, o ministro da Ciência e Tecnologia, Yizhar Shai, disse que o novo bloqueio será mais flexível, mais focado na saúde mental.

Enquanto o governo decidia sobre as regras exatas de bloqueio, Yizhar Shai disse que as novas regras se concentrarão em manter as pessoas sãs, com a abertura de playgrounds e de uso de equipamentos de ginástica ao ar livre

As regras finais de bloqueio serão discutidas pelo governo na terça-feira à noite, após nova avaliação da situação de saúde física e mental da população, de acordo com o ministro da Ciência de Israel.

“Haverá muitas mudanças, melhorias e ajustes que foram concluídos após o primeiro bloqueio e recomendados por estudos científicos”, disse o ministro.

Shai, que é membro do gabinete de segurança e do chamado gabinete de crise do coronavírus, disse que os israelenses poderão “sair e comprar alimentos, remédios e todos os tipos de itens essenciais”. Estamos implementando medidas para cuidar de idosos e pessoas com necessidades especiais.

“Pessoas com crianças pequenas terão permissão para ir aos parques próximos de suas casas e poderão usar os equipamento nesses locais” disse ele. “Este é um aprendizado que tivemos após o primeiro bloqueio, em março e abril, e que mostrou que os riscos do uso de equipamentos nos parques são relativamente baixos e os benefícios são altos”.

Mas Shai advertiu que será “absolutamente proibido entrar na água, não só na praia, mas também nas piscinas”. No entanto, ele disse que se as pessoas quiserem correr na praia, elas poderão fazê-lo, desde que observem os 500 metros de distanciamento de suas casas.