Composição do ministério adia para domingo posse de novo governo israelense

O novo governo israelense deveria tomar posse nesta quinta-feira (14) em cerimônia no Knesset, mas o evento foi adiado para domingo, por causa de divergências com relação à formação do novo Ministério.

Netanyahu deveria anunciar a lista de seus novos ministros às 18h. Mas, os ministros do Likud se queixaram das pastas oferecidas por Netanyahu. Eles também reclamaram que o chefe da equipe de negociação do Likud, o ex-ministro do Turismo Yariv Levin, não deixou carteiras suficientes para o partido após a coalizão negociar com outros partidos do Knesset.

O ministro da Cooperação Regional, Tzachi Hanegbi, e o vice-ministro da Defesa, Avi Dichter, que não foram convidados a se reunir com Netanyahu sobre seus próximos papéis, anunciaram que boicotariam o voto de confiança ao governo que estava previsto para ser votado no início da noite. “Acho que não sou necessário no Knesset, então Shabat Shalom”, escreveu Hanegbi nas mídias sociais.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou formalmente nesta quarta-feira (13) que conseguiu formar um governo de coalizão em parceria com o líder do Azul e Branco, Benny Gantz, que no momento atua como presidente do Knesset.

Com base no acordo de coalizão, Gantz substituirá Netanyahu como primeiro-ministro depois de 18 meses.

Com a posse do novo governo no Knesset, no domingo, Israel encerra um impasse político que durou mais de 500 dias – desde o final de dezembro de 2018 – em que o partido Likud de Netanyahu e o Azul e o Branco se enfrentaram em três eleições inconclusivas – algo sem precedentes na história do país.

Na apresentação do 35º governo de Israel, Netanyahu detalhará a composição do governo, seus ministros, princípios básicos e diretrizes.

Assumindo o cargo recém-criado de vice-primeiro-ministro, Gantz também deve falar na cerimônia. O líder da oposição Yair Lapid também terá a oportunidade de falar.

Em seguida, todos os partidos representados no Knesset terão nove minutos para falar na cerimônia. Calcula-se que o governo será empossado por volta das 22h.

Sob o acordo de coalizão assinado no mês passado entre Likud e Azul e Branco, o novo governo deveria inicialmente ter 32 ministros – divididos igualmente entre os blocos liderados por Netanyahu e Gantz – antes de atingir o recorde de 36 em seis meses. No entanto, o novo governo deve começar com 34 ministros.

Gantz atuará como ministro da Defesa até assumir como primeiro-ministro em 14 de novembro de 2021.

Netanyahu e Gantz terão o título de “primeiro-ministro alternativo” quando não estiverem atuando como premier.

Entre as nomeações ministeriais do novo governo estão os parlamentares do Azul e Branco Gabi Ashkenazi, como ministro das Relações Exteriores; Israel Katz, do Likud, como ministro das Finanças; Avi Nissenkorn, do Azul e Branco, como ministro da Justiça, e Yuli Edelstein, do Likud, como ministro da Saúde.

O Knesset também votará para escolher seu novo presidente, que poderá ser Yariv Levin, do Likud.

Calcula-se que os parlamentares trabalhistas Amir Peretz e Itzik Shmuli sejam indicados para o Ministério da Economia e do Bem-Estar Social respectivamente.