Conferência de Wannsee, que definiu as bases para o Holocausto, completa 80 anos

Há exatos 80 anos, em 20 de janeiro de 1942, o plano de aniquilação sistemática do povo judeu pelo regime nazista foi traçado na Conferência de Wannsee, num palacete à beira do lago Wannsee, em Berlim, onde os líderes nazistas se reuniram para discutir detalhes para erradicar a presença judaica no continente europeu. O mentor do plano foi Heinrich Himmler, comandante das SS, as tropas especiais do 3º Reich, sob as ordens de Adolf Hitler e a decisão de realizar uma matança em larga escala foi tomada após a invasão de regiões que continham grandes contingentes judaicos, como Polônia e a União Soviética e suas repúblicas.

Oitenta anos após a Conferência de Wannsee, ainda persistem o antissemitismo e os discursos de ódio contra os judeus por parte de alguns líderes.

Para o presidente da CONIB, Claudio Lottenberg, as atitudes das autoridades podem ser muito importantes no sentido de atrair e incentivar grupos supremacistas e neonazistas. “Toda vez que uma pessoa pública expressa simpatia ou identidade com esses movimentos, isso sensibiliza seus seguidores, estimula suas ações contra determinadas etnias e comunidades”, disse ele à VEJA, em matéria de Sabrina Brito sobre a Conferência de Wannsee (https://veja.abril.com.br/mundo/a-reuniao-nazista-que-ha-exatos-80-anos-consolidava-o-holocausto/).

A Solução Final começou a ser implementada ainda em 1942, com o início da construção de vários campos de extermínio, a maioria deles localizados em território polonês ocupado, como Sobibor, Chelmno, Belzec, Treblinka, Majdanek e Birkenau, este último erguido ao lado do campo de concentração de Auschwitz. Os campos de extermínio foram pensados para tornar a tarefa de matar tão eficiente como uma linha de montagem industrial. Tudo foi cuidadosamente planejado. Desde a chegada dos prisioneiros, passando pela separação de seus pertences, execução e cremação.