Confinamento entra em vigor em bairros de 5 cidades de Israel para conter o aumento de casos de coronavírus

Os bloqueios entraram em vigor nesta sexta-feira em bairros de cinco cidades afetadas pelo surto de coronavírus, um dia após os ministros do gabinete de crise terem aprovado a medida, diante do aumento acelerado dos casos no país.

De acordo com as novas medidas, partes de Jerusalém, Beit Shemesh, Lod, Ramle e Kiryat Malachi tornaram-se “zonas restritas” por sete dias. As restrições serão retiradas às 8 da manhã de 17 de julho.

Uma declaração conjunta divulgada nesta quinta-feira à noite pelo gabinete do primeiro-ministro e pelo Ministério da Saúde afirma que as entradas e saídas das áreas restritas serão limitadas, bem como o tráfego e as atividades comerciais dentro das áreas.

O prefeito de Jerusalém, Moshe Lion, no entanto, criticou o bloqueio, alegando que a medida causaria “infecções em massa”.

“Essas pessoas vão infectar todos os vizinhos”, disse ele à emissora pública Kan. “A solução para o coronavírus é isolar os portadores. Eu pedi autorização para remover os infectados para os hotéis de quarentena até que se recuperem”.

Em Jerusalém, na manhã desta sexta-feira, havia 2.316 casos ativos confirmados, com 1.089 novos pacientes diagnosticados na semana passada, segundo o Ministério da Saúde. As outras cidades também tiveram um aumento no número de casos acima de 100% na última semana, com Kiryat Malachi registrando um aumento de 368%.

A decisão dos ministros do gabinete seguiu uma recomendação feita pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira.