Delegação oficial dos Emirados Árabes Unidos planeja viagem a Israel no dia 22, diz agência

Os Emirados Árabes Unidos estão planejando enviar uma delegação oficial a Israel em 22 de setembro, como parte da normalização entre os dois países anunciada no mês passado.

A visita seria “em retribuição” à viagem a Abu Dhabi na semana passada por altos funcionários israelenses e americanos, disse uma fonte à agência de notícias Reuters, que revelou a iniciativa.

A informação não foi imediatamente confirmada pelas autoridades israelenses.

Uma fonte citada pela agência disse que a viagem a Israel será confirmada após ser anunciada a data para a cerimônia de assinatura em Washington do acordo de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, provavelmente em meados de setembro.

Israel e os Emirados Árabes Unidos anunciaram em 13 de agosto que estavam estabelecendo relações diplomáticas plenas. Os Emirados Árabes Unidos são apenas o terceiro país árabe a fechar relações oficiais com Israel, depois do Egito e da Jordânia. Autoridades israelenses e americanas expressaram esperança de que outros países árabes do Golfo façam o mesmo em breve, com relações baseadas em interesses comerciais e de segurança mútuos e de unidade contra o inimigo comum, o Irã.

Omã, Bahrein, Marrocos e Arábia Saudita estão entre os países que Israel e os EUA esperam que possam seguir os Emirados Árabes Unidos na formação de laços diplomáticos com o Estado judeu. Mas a Arábia Saudita disse que não normalizará as relações até que Israel concorde com o estabelecimento de um Estado palestino independente, de acordo com a posição de décadas da maioria das nações árabes.

Embora o acordo para normalizar as relações diplomáticas tenha sido anunciado no mês passado, Israel e os Emirados Árabes Unidos ainda não chegaram a um acordo detalhado, que deve ser assinado na cerimônia na Casa Branca.

Jared Kushner, genro e conselheiro do presidente Donald Trump dos EUA, liderou a delegação que visitou Abu Dhabi na semana passada no primeiro voo direto israelense do Aeroporto Ben Gurion, fora de Tel Aviv. Também estiveram na viagem o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, e seu homólogo israelense, Meir Ben-Shabbat.

Enquanto Israel e os EUA elogiaram a viagem da delegação como um prenúncio de oportunidades para uma maior paz na região, os palestinos a condenaram como uma facada nas costas de um importante jogador árabe enquanto eles ainda não tinham um estado próprio.