Durante visita de chanceler a Jerusalém, Israel e Bahrein anunciam que vão abrir embaixadas até o final do ano

Israel e o Bahrein concordaram em abrir embaixadas até o final do ano. A decisão foi anunciada durante a visita a Israel do ministro de Relações Exteriores do Bahrein, Abdullatif bin Rashid Al-Zayani, que comparou a sua viagem “histórica” de um dia a Jerusalém com a visita de Anwar Sadat ao Estado judeu em 1977.

O Bahrein aprovou o pedido de Israel de estabelecer uma embaixada em Manama e, por sua vez, está buscando autorização para abrir uma embaixada em Israel, disse o ministro das Relações Exteriores do país do Golfo nesta quarta-feira, durante uma curta visita ao Estado judeu.

O processo deve ser concluído até o final do ano, disse seu homólogo israelense, Gabi Ashkenazi, em entrevista coletiva no Ministério das Relações Exteriores em Jerusalém.

“Tive o prazer de transmitir ao ministro Ashkenazi o pedido formal do Reino do Bahrein para abrir uma embaixada em Israel e informá-lo de que o pedido recíproco (de Israel) para instalar uma embaixada em Manama foi aprovado”, disse Abdullatif bin Rashid Al-Zayani. “Este é um processo que espero que agora possa avançar com relativa rapidez”.

Ele é o primeiro ministro do Bahrein a visitar Israel. Ashkenazi deve fazer uma visita ao país no início do próximo mês.

Ashkenazi disse que ele e seu convidado concordaram em abrir embaixadas nos dois países o mais rápido possível. “Espero que até o final do ano possamos realizar cerimônias para marcar essas inaugurações”, disse ele, acrescentando que planeja visitar Manama em dezembro para abrir pessoalmente a missão.

O ministro das Relações Exteriores do Bahrein desembarcou na manhã desta quarta-feira em Tel Aviv para uma visita concorrida, durante a qual se encontrará com altos funcionários israelenses e participará de uma reunião trilateral com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

Abdullatif bin Rashid Al-Zayani é o primeiro ministro da pequena nação a visitar o Estado judeu. Seu voo da Gulf Air pousou no Aeroporto Ben-Gurion às 10h30, marcando o primeiro voo comercial sem escalas do Bahrein para Israel.

Uma delegação sênior dos EUA, chefiada pelo principal negociador de paz do governo, Avi Berkowitz, também participa do encontro.

A delegação de Al-Zayani – que inclui vários altos funcionários, como um vice-ministro das Relações Exteriores, o chefe da aviação civil do Bahrein e alguns jornalistas – foi saudada no aeroporto pelo ministro das Relações Exteriores, Gabi Ashkenazi.

Em uma conversa particular em frente ao carro de al-Zayani, Ashkenazi disse ao seu homólogo do Bahrein que estava muito feliz em recebê-lo em Israel. “É uma visita histórica”, disse ele.

“Para nós, este é um evento muito importante”, disse na terça-feira um diplomata israelense encarregado das relações com os países do Golfo. “Há um grande entusiasmo da parte deles em avançar sua cooperação conosco – em quase todas as áreas”, acrescentou ele, observando que durante a visita de Al-Zayani, a monarquia do Golfo Árabe e Israel assinarão uma série de acordos bilaterais, inclusive nos campos da aviação e da cooperação tecnológica.

“Algo assim não acontece todos os dias”, acrescentou o diplomata. “Há um enorme potencial econômico em nossos laços com os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein. Muitos aqui (no Departamento de Relações Exteriores) trabalharam na criação desses laços por mais de 15 anos e agora estão compreensivelmente felizes por finalmente poderem falar sobre eles abertamente. A visita desta quarta-feira do ministro das Relações Exteriores do Bahrein é o ponto alto desses esforços”, completou.

No mês passado, autoridades israelenses, durante uma primeira visita histórica a Manama, pediram formalmente ao Bahrein para abrir uma embaixada no país. Jerusalém espera que a delegação do ministro das Relações Exteriores dê formalmente luz verde a Israel para abrir uma missão durante a visita desta quarta-feira.

A agência de notícias estatal do Bahrein, BNA, disse na segunda-feira que a visita iria “afirmar a posição forte e permanente do Bahrein em favor do processo de paz” e se concentrar nas “oportunidades econômicas e acordos bilaterais com Israel”.

Até certo ponto, al-Zayani tem sido a face pública do processo de normalização do Bahrein com Israel. Ele assinou os chamados Acordos de Abraão e uma “Declaração de Paz” com Israel na cerimônia de 15 de setembro na Casa Branca.

Em 25 de outubro, ele assinou oito acordos bilaterais, incluindo um “Comunicado Conjunto sobre o estabelecimento de relações diplomáticas, pacíficas e amistosas” com Israel durante cerimônia em Manama.

“Saudamos o governo israelense por sua capacidade de resposta na realização desse passo histórico”, disse ele na época.

Depois de deixar o aeroporto, Al-Zayani e Ashkenazi devem ter um encontro no Ministério das Relações Exteriores em Jerusalém e fazer declarações à imprensa.

No início da tarde, o presidente Reuven Rivlin receberá o principal diplomata do Bahrein em sua residência em Jerusalém, onde ele assinará o livro de visitantes e fará comentários à imprensa.

Em seguida, al-Zayani irá ao gabinete do primeiro-ministro para uma série de reuniões, incluindo um encontro em separado com Netanyahu e outro com o premier e com Pompeo. Ashkenazi também participará da última reunião.

Pompeo está atualmente em uma viagem por sete países que inclui paradas na França, Turquia, Geórgia, Israel, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita.

Israel e Bahrein devem assinar vários acordos bilaterais.

Ashkenazi e Berkowitz, o homem de referência da administração dos EUA para a normalização árabe-israelense, participarão de algumas das reuniões. A delegação de Berkowitz inclui um punhado de altos funcionários do Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

Depois de outra reunião com Ashkenazi por volta das 20h, al-Zayani deve retornar a Manama por volta das 22h30.