Em 100 dias de pandemia, Unibes distribui milhares de cestas, kits de higiene, e mantém atendimento psicológico e outras atividades à distância

Instituição centenária, a Unibes foi criada em 1915, com o propósito de ajudar os milhares de imigrantes que chegavam no Brasil em decorrência da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e, anos mais tarde, da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Ao longo das décadas, cresceu. Presta atualmente mais de 15 mil atendimentos a um público formado por crianças, adolescentes, idosos e famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social. Deste universo, 5 mil pertencem à comunidade judaica e 10 mil integram a sociedade maior. A pandemia causada pelo coronavírus obrigou a instituição a se adaptar para continuar a atender aqueles que precisam.

Em um relatório feito sobre as ações realizadas durante os 100 dias da pandemia, a Unibes contabiliza, por exemplo, a distribuição de 14 mil cestas básicas para atender as famílias dos assistidos que, antes, faziam suas refeições na instituição.

“Normalmente, oferecíamos 5 mil refeições por dia. Passamos a distribuir 600 a 800 cestas por semana, atingindo 8.500 famílias. Destas, 3 mil já estavam conosco e 5,5 são novos cadastros. Isto foi possível porque iniciamos uma campanha de arrecadação de cestas básicas e conseguimos mantimentos para esses meses iniciais”, explica a presidente da Unibes, Denise Zaclis Antão.

Por meio de doações de produtos e de campanhas em benefício da instituição, nesses primeiros 100 dias, foi possível fazer mais de 12.000 atendimentos para distribuição de produtos. Além de alimentos, EPIs e álcool em gel, foram doados itens de higiene como sabonetes, fraldas, lenços umedecidos, além de cobertores, meias, vacinas e termômetros.

Durante a suspensão das aulas presenciais, foram organizadas atividades pedagógicas paras as 200 crianças, entre 2 e 5 anos, dando continuidade à proposta educativa da Secretaria Municipal de Educação. Entre as atividades remotas propostas estão exercícios para estimular a alfabetização e o raciocínio lógico, contação de histórias, brincadeiras e músicas. Para tanto, foram entregues aos alunos kits com materiais de arte, livros, e um kit de higiene pessoal. Os pais receberam orientações sobre saúde bucal e higiene e foram criados grupos no WhatsApp com os pais de cada classe para facilitar as orientações sobre as ações.

Para manter as atividades de 700 crianças e jovens assistidos foi disponibilizado o atendimento online no Matific, plataforma voltada para o ensino de Matemática. As crianças realizam as atividades com objetivo de fixação e de novos aprendizados. Elas também estão trabalhando na Guten News, plataforma digital de apoio às escolas que estimula a leitura crítica utilizando textos jornalísticos em linguagem adequada para essa faixa etária.

O mesmo aconteceu com a capacitação profissional oferecida a 700 jovens, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. Uma série de atividades foi oferecida online. E com os idosos atendidos no Centro Dia pelo programa Núcleo de Convivência também, que passaram a ser atendidos remotamente ou com visitas domiciliares.

Oferecido em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, o serviço de assistência social passou a fazer atendimentos à distância para as mais de 2.500 famílias assistidas que vivem na região central de São Paulo.

O famoso Unibes Bazar teve de ter as atividades presenciais suspensas por conta da quarentena. A atividade responde, segundo Denise, por 20 por cento do orçamento da instituição. Para manter o bazar funcionando, adaptações foram feitas como campanhas de coleta de doações por meio de Drive Thru em parceria com a Hebraica, a Fisesp e o Colégio Renascença, implementação de vendas por Whatsapp e criação de canais independentes para o Unibes Bazar nas mídias sociais. As doações passaram a ser higienizadas e agora ficam em quarentena por até sete dias antes de serem triados.

Com a retomada gradual das atividades, as lojas já voltaram a funcionar a partir da data permitida. “Estamos seguindo todos os protocolos de distanciamento, limpeza e cuidados”, ressalta Denise. “Aproveitamos o tempo de isolamento para nos organizar e estar preparados para a retomada”.

A Unibes Cultural, que teve a programação presencial suspensa em meados de março, passou por adequações. Para continuar fornecendo conteúdo de qualidade e para compensar a queda na arrecadação causada pela suspensão, foi montada uma estrutura de live streaming com conteúdos audiovisuais produzidos para parceiros, por uma capacitada equipe técnica, nos espaços multiusos. Os canais digitais foram fortalecidos com uma programação intensa de lives, cursos e shows. “Aqui voltamos ao tamanho de cinco anos atrás, para garantir a qualidade a sustentabilidade. Temos repertório e somos reconhecidos como um hub de cultura. A gente sempre soube se reinventar com muito orgulho. Por isso a Unibes tem 105 anos de existência. Porque sempre soube se reinventar de acordo com as demandas da sociedade, com resultados emocionantes”, disse Denise.