Em nova etapa na luta contra a Covid-19, Israel já começa a abrir vacinação para todas as faixas etárias

Em nova etapa de sua campanha de vacinação contra a Covid-19, Israel já começou a abrir a vacinação para todos, uma vez que o país já vacinou um terço de sua população.

Algumas clínicas tentam evitar o desperdício de vacinas, o que já começa a acontecer.

O provedor de saúde Clalit descartou cerca de 1.000 doses expiradas nos últimos dias, depois de não ter pessoas suficientes para receber as injeções, informou o Canal 12. A vacina da Pfizer usada em Israel expira rapidamente após ser removida do congelamento.

Tanto o Clalit quanto o Meuhedet fizeram apelos aos que ainda não foram vacinados para que busquem os postos de vacinação.

O Ministério da Saúde informou na noite desta segunda-feira que 87 mil pessoas foram vacinadas nesse dia, diante uma taxa diária de cerca de 150 mil há algumas semanas.

Um funcionário de Clalit disse ao Canal 12: “Antes, não tínhamos vacinas, agora não temos pessoas para vacinar”.

Kalanit Kay, que gerencia a campanha de vacinação para Clalit, disse à rede: “Nos últimos dias, vimos uma desaceleração nas vacinações, no número de pessoas que vêm para receber a primeira dose”.

“Enviamos mensagens no Facebook e WhatsApp para que todos busquem a vacinação nos locais próximos de suas casas”, disse o funcionário. Os apelos levaram muito mais jovens a buscarem a primeira dose da vacina, disse o funcionário.

Outro funcionário da Clalit disse ao Canal 12: “Infelizmente, não estamos vendo o número de pessoas que costumávamos ver. Vimos um declínio acentuado na taxa de vacinações”.

A campanha de vacinação deve ser aberta formalmente a todos os grupos etários em todo o país nesta semana ou no início da próxima, informou o site de notícias Ynet.

A taxa de vacinação por mais de 60 anos se estabilizou porque muitas pessoas nessa faixa etária já foram vacinadas.
Um total de 3,1 milhões de israelenses receberam sua primeira dose e 1,8 milhões receberam a segunda dose. A taxa de vacinação permanece muito mais baixa entre as comunidades árabes e ultraortodoxas de Israel do que o resto da população, disse o Canal 12.

O Ministério da Saúde divulgou na segunda-feira alguns dados sobre os efeitos colaterais menores da segunda dose da vacina.

O efeito colateral mais comum foi a “fraqueza geral”, que afetou as pessoas a uma taxa de 458 por 1 milhão. Os próximos efeitos colaterais mais comuns foram dores de cabeça, febre, dores musculares e nas articulações. Não foram relatados efeitos colaterais graves.

Apesar do número relativamente alto de vacinações na população israelense e das semanas de bloqueio, o vírus continua a se espalhar, em grande parte devido a mais variantes contagiosas.

Os ministros votaram na madrugada desta segunda-feira pela prorrogação do bloqueio nacional, agora em sua quarta semana, até a manhã de sexta-feira, às 7h, e por manter o aeroporto Ben Gurion fechado até domingo.

A empresa aérea El Al afirmou nesta segunda-feira que cancelou todos os voos de passageiros até sábado devido à determinação do governo de fechar o aeroporto. Os voos de carga e os voos com vacinas serão mantidos. A empresa está tentando organizar um voo de ‘resgate’ para levar de volta a Israel cidadãos israelenses que estão retidos em Nova York.

O vice-ministro da Saúde, Yoav Kisch (Likud), sinalizou que o governo pode estender o bloqueio para além do prazo de sexta-feira.
“Se não observarmos uma queda nos casos graves, é possível que peçamos para estender o bloqueio para além de sexta-feira”, disse Kisch ao Canal 13.

Os ministros devem se reunir na tarde desta quarta-feira para discutir os termos de bloqueio. Netanyahu está tentando estender o fechamento para além de sexta-feira, de acordo com o Canal 13. No entanto, o Azul e Branco, do ministro da Defesa, Benny Gantz, deve se opor fortemente a extensão do bloqueio.