Em sua primeira viagem ao exterior como presidente, Alberto Fernández irá a Israel, cinco dias depois do aniversário da morte de Nisman

O novo presidente argentino, Alberto Fernández, confirmou que irá a Israel para participar do Forum Internacional sobre Antissemitismo, que será realizado no Museu Yad Vashen, em Jerusalém, no dia 23, por ocasião dos eventos pelo Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, em 27 de janeiro.

Em nota divulgada à imprensa, o governo afirma que a primeira viagem ao exterior do presidente será a Israel e foi acertada entre o secretário-geral da Presidência, Julio Vitobello, e a embaixadora argentina em Israel, Galit Ronem. “Israel será, portanto, o destino da primeira viagem internacional do presidente”, diz a nota.

A viagem ocorre dias depois do quinto aniversário da morte do procurador argentino Alberto Nisman, que investigava o atentado contra a organização judaica AMIA, em Buenos Aires, em 1994. Nisman foi encontrado morto com um tiro na cabeça em seu apartamento, em 18 de janeiro de 2015, na véspera de apresentar ao Congresso denúncia contra a então presidente Cristina Kirchner – atual vice-presidente da Argentina – por um suspeito acordo com o Irã, pelo qual ex-funcionários iranianos envolvidos no atentado seriam beneficiados em troca de um acordo comercial favorável à Argentina.

A decisão de Fernández pegou de surpresa inclusive a embaixada israelense em Buenos Aires, que agora corre para organizar a agenda do presidente em Israel.

Mais de 40 líderes mundiais, representantes de governos e sobreviventes do Holocausto devem participar dos eventos em Israel. No encontro no Yad Vashem, devem falar o presidente israelense, Reuven Rivlin, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o presidente da França Emmanuel Macron, o príncipe Charles e o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Está prevista também a participação de altos funcionários dos EUA e do presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier.