Foi ato de “antissemitismo repugnante”, diz ministro alemão sobre o ataque a estudante judeu em Hamburgo

O ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas, qualificou de “antissemitismo repugnante” o ataque neste domingo a um estudante judeu diante de uma sinagoga em Hamburgo.

A ministra alemã da Justiça, Christine Lambrecht, disse que o ódio contra os judeus é uma “desgraça” para o país.

O jovem de 26 anos usava quipá quando foi golpeado várias vezes na cabeça por um homem com uma pá na porta de uma sinagoga em Hamburgo. Ele foi levado ao hospital em estado grave, com traumatismo craniano.

“O ódio contra os judeus é uma vergonha para nosso país”, disse Christine Lambrecht em comunicado. “Temos que nos preparar mais para enfrentar o ódio contra os judeus e estar mais presentes para as vítimas do ódio e da violência”.

“Este não é um caso isolado – isso é antissemitismo repugnante e todos nós devemos nos levantar contra esse ato”, tuitou Maas na noite de domingo.

A polícia designada para proteger a sinagoga prendeu um alemão de 29 anos de origem cazaque que usava um uniforme de estilo militar.

De acordo com a agência de notícias alemã DPA, os policiais encontraram um pedaço de papel com uma suástica em um dos bolsos da calça do homem detido.

A vítima conseguiu se afastar de seu agressor e os transeuntes lhe deram os primeiros socorros antes de ser levado ao hospital, acrescentou a agência.

Um porta-voz da polícia citado pela DPA disse que o suspeito parecia estar em um estado de confusão mental, o que dificultou o interrogatório.

A comunidade judaica de Hamburgo estava celebrando a festa de Sucot, e a sinagoga estava lotada na hora do ataque.

Um rabino de Hamburgo disse que a comunidade ficou “muito, muito chocada” com o ataque.

“A questão é: O que não aprendemos desde Halle?”, disse o rabino Shlomo Bistritzky.

Ele se referia ao ataque no ano passado a uma sinagoga em Halle ocorrido em 9 de outubro dia de Yom Kipur, data mais sagrada do calendário judaico. O agressor tentou invadir a sinagoga e, não conseguindo entrar, disparou e matou dois transeuntes. Ele foi preso e responde atualmente na justiça pelo crime.

No mês passado, a chanceler Angela Merkel disse que se sente envergonhada pelo aumento do antissemitismo na Alemanha, depois que a comunidade judaica alertou que o coronavírus estava servindo de argumento para incitar o ódio antissemita.

Os crimes antissemitas aumentaram drasticamente na Alemanha nos últimos anos, com 2.032 casos registrados em 2019, um aumento de 13% em relação ao ano anterior.

A Alemanha agora é o lar da terceira maior população judaica da Europa Ocidental, em grande parte devido ao influxo de cerca de 200.000 judeus após o colapso da União Soviética.