Fux destaca origem judaica em discurso de posse como presidente do STF

O novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, tomou posse nesta quinta-feira (10), destacando sua origem judaica, lembrando do pai, refugiado do nazismo, e citando Elie Wiesel, que, em 1986, recebeu o Nobel da Paz pelo conjunto de sua obra de 57 livros, dedicada a resgatar a memória do Holocausto e a defender outros grupos vítimas das perseguições.

“Igualdade traz dignidade e nos afasta do ‘perigo da indiferença’ para com o outro, sentimento que, nas palavras de Elie Wiesel, já adoeceu o mundo, gerou o Holocausto e levou meus queridos antepassados a serem dizimados nos campos de concentração”.

Durante a cerimônia de posse, Fux foi homenageado com a medalha amigos da FIERJ entregue por seu presidente, Arnon Velmovitsky (foto)

“Aprendi com a vida que a maior capacidade do ser humano é transformar seus sonhos em realidade. Os sonhos são o bálsamo da vida e o alimento da esperança; sonhar acordado é vislumbrar o destino que nossos corações desejam”

Fux iniciou seu discurso homenageando as vítimas da pandemia e encerrou com o ‘Osse Shalom’:

“Como primeiro gesto simbólico no exercício desta nobilíssima missão, não poderia deixar de prestar um tributo às mais de 120.000 (cento e vinte mil) vítimas fatais do coronavírus em nosso país e aos seus familiares. Essa página crítica e devastadora de nossa história, que ainda estamos a virar, torna imperativa uma reflexão sobre nossas vidas, nossos rumos e nossos laços de identidade nacional. Nenhum nome será esquecido. Pela memória e dignidade dos brasileiros que se foram, não desperdiçaremos a oportunidade de nos tornarmos pessoas mais nobres e solidárias e uma nação melhor para as presentes e futuras gerações”.

“Como ser humano, fortaleço meu incondicional desejo e certeza de que dias melhores virão. Por isso, concito a todos que lavemos as mãos, não como Pilatos, mas para com elas, imunes da pandemia, segurarmos nas mãos de Deus para que nos conduza ao caminho da Luz, do Amor ao Bem e ao próximo, e à divindade da Justiça. Que a humildade, a coragem, a independência, a prudência e a disciplina guiem a jornada que ora inicio. Que Deus me proteja. Baruch Hashem! (Deus seja louvado) Muito obrigado. Ministro Luiz Fux (Presidente do Supremo Tribnal Federal). Leia a íntegra do discurso em: https://www.conjur.com.br/dl/discurso-posse-fux-stf.pdf

No último dia 2, o ministro Luiz Fux participou de um encontro on-line com o presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Fernando Lottenberg e o rabino Michel Schlesinger, da Congregação Israelita Paulista (CIP), com o tema “O papel do Judiciário no fortalecimento da democracia”.

Filho de imigrantes judeus da Romênia que fugiram da perseguição nazista, Fux reforçou sua admiração pelos valores e pelas tradições judaicas, as quais segue desde muito jovem. “Sinto orgulho em ser brasileiro, judeu e justo e trabalho diariamente sob a proteção da inspiração judaica e seguindo os princípios de caridade, da verdade ao bem e da justiça”.

“O tefilin é o símbolo do equilíbrio que precisa ser encontrado entre a razão (a cabeça) e o coração (a emoção). Quando Deus reza todos os dias, ele se recorda de que nós temos o potencial de fazer o bem e de fortalecer uma sociedade justa”, afirmou o rabino Michel Schlesinger, ao se referir a uma passagem do Talmud.

Questionado pelo presidente da Conib sobre o que espera do STF no próximo biênio, Fux elencou algumas prioridades para o seu mandato, como o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, a preservação do meio ambiente, a saúde da população, a separação de poderes, a manutenção da democracia e a migração da Suprema Corte brasileira para um ambiente 100% digital.

Na ocasião, Fux também falou sobre a criação do Observatório dos Direitos Humanos, para proteger minorias vulneráveis e disse contar com a parceria da Conib, ressaltando também a importância do combate às fake news. “A dignidade de uma pessoa está na manutenção do seu bom nome. A honra é o maior patrimônio do homem e não se pode confundir liberdade de expressão com invasão de privacidade”, disse ele.

O presidente da Conib ressaltou o trabalho que a entidade vem fazendo no combate ao discurso de ódio. “É muito gratificante ver o presidente do Supremo endossar teses que temos trabalhado com afinco há muitos anos. Lançamos o “Guia do combate ao discurso de ódio”, por meio de uma parceria da Conib com a FGV e também estamos trabalhando em um livro, com artigos trazendo vários aspectos dessa questão, o qual lhe entregarei pessoalmente em seu gabinete, em breve, se a pandemia assim o permitir”, ressaltou Lottenberg.

“Não há como não se impressionar com a ambição que o senhor coloca para o próximo biênio. Desejamos que o senhor tenha força para levar essas metas adiante. Parece que o senhor se preparou a vida inteira – em termos humanos e pessoais – para exercer essa função”, concluiu o presidente da Conib.

“O grande objetivo é que o STF seja uma corte coesa, que haja harmonia entre os poderes e que nós possamos atender ao grande objetivo dos juízes, que é lutar pela vida das pessoas que sofrem e pela esperança das pessoas que tentam viver”, disse o ministro, no encerramento da transmissão.

O evento, que também contou com a participação do público via chat, pode ser visto em: https://cip.org.br/aovivo/ ou no Youtube https://www.youtube.com/watch?v=aN8tkn_rNVU&feature=youtu.be

Fux também participou e foi homenageado na 46ª Convenção Anual da Conib , em 2015, em evento no clube A Hebraica, em São Paulo.