Irã será capaz de desenvolver uma arma nuclear em dez semanas, alerta Gantz

O Irã será capaz de ter uma arma nuclear dentro de dez semanas, disse nesta quarta-feira o ministro israelense da Defesa, Benny Gantz, a diplomatas de países membros do Conselho de Segurança da ONU, de acordo com matéria de Lahav Harkov e Tovah Lazaroff, no Jerusalem Post.
O ministro disse que o Irã violou todas as diretrizes estabelecidas no JCPOA – o acordo nuclear de 2015 com as grandes potências – e está a apenas cerca de 10 semanas de desenvolver uma arma nuclear.
“Essa é, portanto, a hora de agir”, disse ele, ao recomendar: “O mundo deve aplicar sanções econômicas e tomar medidas operacionais contra o Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos do Irã”.
Gantz falou em uma apresentação junto com o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid para diplomatas de países membros do Conselho de Segurança da ONU numa iniciativa de Israel para que o Irã seja punido pelos ataques marítimos, incluindo ao navio Mercer Street, que é administrada por uma empresa israelense e Asphalt Princess no Golfo na semana passada.
Esses ataques não são apenas contra Israel, mas também contra o mundo e, portanto, o mundo deve reagir de forma conjunta para garantir que o Irã assuma a responsabilidade por sua agressão, disseram os ministros. Ambos destacaram, no entanto, que Israel manterá sua prerrogativa de agir contra o Irã em resposta a quaisquer ataques ou ameaças a seus cidadãos.
Gantz disse que o comandante da Força Aérea do IRGC, Amir Ali Hajezda, é o responsável por dezenas de ataques com UAV (drones armados) e com mísseis na região, junto com o chefe do Comando do UAV do IRGC, Saeed Ara Jani.
“Ara Jani é o principal operador do sistema UAV da Força Aérea do IRGC, que atingiu a Mercer Street”, afirmou Gantz. “Ele fornece suprimentos, treinamento, planos e é responsável por muitos atos de terror na região”, alertou.
Gantz destacou ainda que o Irã é responsável por dezenas de ataques terroristas no Oriente Médio e opera através de aliados no Iêmen, Iraque e outros países.
O ministro da Defesa disse que fornecerá aos países participantes informações detalhadas sobre as ações do Irã na região.
Lapid destacou que os últimos ataques do Irã têm sido às rotas de comércio internacional. Este é um ataque à liberdade de movimento. Este é um crime internacional”, advertiu Lapid, ao fazer um apelo aos países para que ajam logo contra as violações do Irã.