Israel adota novas restrições para conter o coronavírus

Com o número de casos confirmados de coronavírus chegando a 104 hoje pela manhã e com a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarando pandemia, Israel adotou novas restrições para conter o avanço da doença.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou ontem que Israel está limitando reuniões públicas a um máximo de 100 pessoas, com exceções relacionadas à segurança, como forma de combater a crescente “praga global” do coronavírus no país.

Netanyahu fez o anúncio em coletiva de imprensa ao lado do ministro da Saúde Yaakov Litzman, do conselheiro de Segurança Nacional Meir Ben-Shabbat e do diretor geral do Ministério da Saúde Moshe Bar-Siman-Tov.

Netanyahu disse que Israel está conseguindo lidar bem com a crise do coronavírus, comparado a muitos outros países, depois de fechar a entrada para estrangeiros e impor um auto isolamento aos que retornam de viagens ao exterior.

Ele pediu aos israelenses que “mudem a sua rotina diária”. “Gostamos de abraçar, apertar as mãos, beijar, mas não devemos mais fazer isso”. “Devemos lavar as mãos com frequência e manter uma boa higiene pessoal. Estamos em uma pandemia – uma praga global!”, disse ele

O Ministério da Saúde anunciou hoje vários novos casos de israelenses portadores do coronavírus, elevando o número para 100. Segundo o Ministério, dois pacientes estão em estado grave e três em condição moderada.

Os casos recentes incluem duas mulheres de 60 anos na região central de Israel que retornaram ao país de Nova York via Moscou em 9 de março, segundo o ministério.

O surto do vírus está afetando as atividades nas escolas e no transporte público e mudou a rotina nas prisões e em outros setores.

O Serviço de Penitenciária de Israel anunciou hoje que estava isolando 119 detidos e 25 funcionários no Centro de Detenção em Jerusalém, depois que uma oficial informou que esteve em contato com uma pessoa infectada.

Nenhum novo detido será admitido nas instalações penitenciárias e nenhum prisioneiro será levado a tribunal. Aqueles que devem ser libertados serão enviados diretamente para isolamento doméstico.

O anúncio veio um dia depois que o Serviço de Prisões de Israel disse que estava preparando a Prisão de Saharonim, no sul do país, para abrigar prisioneiros que contraem o coronavírus. Os presos mantidos em Saharonim serão transferidos para outras prisões do país. O serviço prisional também informou que preparou instalações nos três distritos sob seu comando para manter presos suspeitos de terem o vírus.

A Israel Railways anunciou que estará operando com serviço reduzido a partir desta quinta-feira, já que não tem funcionários para operar em capacidade total devido ao alto número de trabalhadores em quarentena.

Os trens não circulam nas linhas Beersheba-Dimona, Beit Shemesh-Jerusalem e Lod-Rishonim, nem no trem noturno entre Beersheba e o Aeroporto Ben Gurion.