Israel atinge posições do Hezbollah no Líbano após ataque a suas tropas na fronteira

Aeronaves israelenses atacaram posições do grupo xiita Hezbollah no Líbano nas primeiras horas desta quarta-feira, após tiros terem sido disparados do lado libanês da fronteira contra soldados israelenses. Segundo as autoridades militares, nenhum dos soldados ficou ferido.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu que a agressão do Hezbollah está colocando o Líbano em perigo.

“Israel dará uma resposta poderosa a qualquer ataque” advertiu Netanyahu nesta quarta-feira. “Israel considera grave o ataque do Hezbollah contra nossas tropas. Não toleraremos qualquer agressão contra nossos cidadãos e responderemos com força a qualquer ataque”, disse Netanyahu.

“Recomendo ao Hezbollah que não teste a força de ataque de Israel”, destacou o premier.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, reagiu: “Não permitiremos que Hassan Nasrallah (o líder do Hezbollah) atinja nossos soldados ou nosso país. Responderemos com rigor a qualquer incidente em nossa fronteira”, advertiu Gantz.em declarações de boas-vindas a novos recrutas.

Netanyahu se encontrou com Benny Gantz, o chefe do Estado-Maior das IDFs, Aviv Kochavi, e outros altos funcionários durante a noite para discutir a situação na fronteira com o Líbano.

Até a manhã desta quarta-feira, o Hezbollah ainda não havia comentado o ataque.

Gantz também discutiu as ações militares contra alvos do Hamas na Faixa de Gaza na manhã desta quarta-feira em resposta aos contínuos ataques de foguetes e de balões incendiários, que causaram dezenas de incêndios no sul de Israel.

“Na noite passada, os desafios de segurança continuaram, tanto nas frentes norte como sul. Continuaremos a trabalhar para restaurar a tranquilidade total em nossa região sul”, destacou o ministro da Defesa.

Ontem, o enviado do Catar à Gaza visitou o enclave em uma tentativa de aliviar as tensões entre Israel e grupos terroristas da Faixa. Doha teria concordado em fornecer dezenas de milhões de dólares em fundos de ajuda para Gaza como parte de um acordo de cessar-fogo entre as partes.

O incidente na fronteira com o Líbano parecia ser mais uma tentativa do grupo terrorista Hezbollah de se vingar de Israel pela morte de um de seus combatentes, morto nas proximidades de Damasco em um ataque aéreo em 20 de julho atribuído às Forças de Defesa de Israel (IDFs).

Em 27 de julho, as IDFs disseram que frustraram outra tentativa de ataque do Hezbollah, levando os terroristas de volta à fronteira com o Líbano antes que pudessem atacar as tropas israelenses. Nas semanas que se seguiram, os militares também disseram que impediram pelo menos uma outra infiltração e derrubaram um drone do Hezbollah que penetrou em território israelense.

Depois de inicialmente se preparar para essas tentativas de retaliação do Hezbollah com tropas adicionais posicionadas ao longo da fronteira, as IDFs começaram a reduzir seus reforços após a explosão no porto de Beirute no início deste mês. Os militares acreditam que o grupo terrorista – que tem grande participação na política libanesa – concentra seus esforços em questões internas do Líbano, em vez de realizar sua vingança contra Israel, embora o Hezbollah afirme que sua retaliação ainda estava por vir.

O incidente de terça-feira à noite também ocorreu exatamente um ano depois que as IDFs mataram dois membros do Hezbollah em um ataque aéreo a uma instalação controlada pelo Irã na Síria que os militares disseram ter sido montada para lançar ataques contra Israel com drones carregados de explosivos.

De acordo com as IDFs, os tiros foram disparados do Líbano contra as tropas estacionadas em um posto avançado próximo à comunidade de Manara, na Alta Galileia.

“Em resposta, helicópteros e aeronaves de ataque das IDFs atingiram alvos terroristas pertencentes ao grupo terrorista Hezbollah”, disse um comunicado do exército, acrescentando que entre os alvos estavam postos de observação do Hezbollah ao longo da fronteira.

Nenhum soldado das IDFs ficou ferido e não houve relatos imediatos de vítimas no lado libanês.

Embora esta pareça ser a primeira vez que aeronaves israelenses visam diretamente alvos do Hezbollah dentro do Líbano desde a Segunda Guerra do Líbano em 2006, as IDFs já atingiram posições do grupo terrorista nesse período de 14 anos em resposta a ataques na fronteira. Normalmente, isso era feito imediatamente após um ataque do Hezbollah para evitar possíveis operações adicionais, em vez de medidas punitivas.