Wisam Hashlamoun/Flash90

Israel autoriza plano para vacinar mais de 120.000 trabalhadores palestinos

O governo israelense aprovou no domingo um plano para vacinar mais de 120.000 palestinos que estão legalmente empregados nas comunidades israelenses.

O Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios, que administra os assuntos civis palestinos, anunciou que será lançada uma campanha de imunização nas passagens de fronteira e zonas industriais em toda a Cisjordânia. De acordo com o COGAT, os profissionais de saúde israelenses administrarão as doses da vacina contra a Covid-19.

“Como parte da luta contra a propagação do coronavírus e de acordo com a recomendação do COGAT e do Ministério da Saúde, o governo aprovou uma campanha de vacinação para trabalhadores palestinos com autorização de trabalho em Israel e assentamentos israelenses”, disse o COGAT em comunicado .

Cerca de 87.000 palestinos têm permissão de trabalho em Israel e outros 35.000 trabalham em assentamentos israelenses, de acordo com dados do Ministério da Defesa.

A Autoridade Palestina espera começar sua campanha de vacinação pública no início deste mês de março, com a chegada de um grande carregamento de vacinas AstraZeneca.

Até o momento, foram disponibilizadas apenas 32 mil doses aos palestinos, cuja população vivendo na Cisjordânia e na Faixa de Gaza soma 5,2 milhões de pessoas. Novas doses devem ser fornecidas através do consórcio Covax, coordenado pela Organização Mundial da Saúde, mas ainda sem garantias de que serão suficientes para uma ampla imunização. Por isso, a oferta das doses israelenses a pelo menos parte da população é vista como positiva.

“A população palestina segue desprotegida contra a Covid-19, e gostaríamos de ver novas iniciativas desse tipo (a oferta israelense). Gostaríamos de ver um acesso igualitário às vacinas para todos os israelenses e palestinos”, declarou o porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha em Israel e Territórios Palestinos, Dan Waites, neste domingo.

Foto: Wisam Hashlamoun/Flash90