Israel começa a flexibilizar a quarentena: bibliotecas, hotéis, e parques reabrem na quinta-feira

Shoppings, mercados ao ar livre e academias poderão reabrir nesta quinta-feira (7) em Israel, embora alguns locais tenham que limitar o número de frequentadores e adotar regra de distanciamento de 20 metros entre as pessoas. Mercados e shoppings deverão informar os frequentadores sobre as novas medidas e não devem permitir que os clientes consumam alimentos nesses locais.

Na segunda-feira, os ministros aprovaram uma série de medidas para aliviar as restrições destinadas a conter a propagação do coronavírus, entre elas a flexibilização do limite de 100 metros nos deslocamentos de casa para atividades não essenciais.

Várias mudanças nas regras de emergência foram efetivadas imediatamente, como a reabertura de algumas empresas, enquanto outras não entrarão em vigor antes do final da semana.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu alertou nesta segunda-feira à noite que, se as taxas de infecção voltarem a crescer, as medidas de bloqueio serão retomadas.

Ao mesmo tempo, os ministros autorizaram uma extensão do polêmico programa que permite ao serviço de segurança Shin Bet usar dados de celular para rastrear portadores de coronavírus e também estenderam o toque de recolher noturno para o Ramadã nas comunidades de maioria muçulmana até 10 de maio.

A partir de imediato, as bibliotecas, hotéis, pousadas, reservas naturais, patrimônios históricos, parques nacionais e zoológicos podem reabrir, assim como empresas especializadas em tratamentos estéticos.

As bibliotecas devem colocar um divisor no balcão de check-out e reservar livros recém-devolvidos por três dias. As empresas que oferecem tratamentos estéticos devem limitar o número de clientes a um por cada 15 metros quadrados.

Piscinas para atletas competitivos e hidroterapia também podem reabrir.

Shoppings, mercados ao ar livre e academias poderão reabrir na quinta-feira, embora os dois primeiros devam limitar o número de compradores autorizados a entrar para uma pessoa a cada 20 metros quadrados e trabalhar para garantir uma distância de dois metros entre os clientes.

Eles também serão obrigados a colocar placas listando o número máximo de pessoas permitidas nas instalações e não devem permitir que os clientes consumam alimentos nos locais.

Enquanto as praias permanecerão fechadas para os visitantes, esportes aquáticos serão permitidos agora.

O limite de 500 metros para que os israelenses possam sair de suas casas ou locais de trabalho para a oração foi aumentado, embora o número de 19 pessoas para a oração em grupo em áreas abertas permaneça em vigor. O limite do número de pessoas que podem participar de uma circuncisão foi aumentado de 10 para 19.

Outras reuniões de até 20 pessoas serão permitidas em áreas abertas e podem ser ampliadas para 50 pessoas em 17 de maio. Casamentos agora podem ter até 50 pessoas se forem realizados em áreas abertas.

Netanyahu disse que a suspensão de todas as restrições está prevista para 14 de junho, “desde que não haja nenhuma luz vermelha”.

Além disso, os profissionais de saúde mental agora podem se encontrar com seus pacientes sem máscaras se mantiverem uma distância de três metros um do outro. Prédios com mais de cinco andares podem ter até metade da ocupação máxima em elevadores, com apenas duas pessoas.

Com algumas séries voltando à escola esta semana, Netanyahu disse que os jardins de infância reabrirão em 10 de maio, enquanto todos os alunos retornarão às aulas até o final do mês. No entanto, ele não deu um prazo para a retomada das atividades nas creches.

As universidades e faculdades devem reabrir em 14 de junho.

Quanto aos voos internacionais, Netanyahu disse que Israel estava buscando uma maneira de “se reconectar ao mundo”, mas sem expor o país ao contágio com outros países que ainda enfrentam altas taxas de infecção.