Israel e Emirados Árabes Unidos assinarão acordo em cerimônia na Casa Branca na próxima terça-feira

Israel e os Emirados Árabes Unidos assinarão seu acordo histórico normalizando as relações em uma cerimônia na Casa Branca em 15 de setembro, segundo confirmou um alto funcionário da Casa Branca ao The Times of Israel.

Autoridades americanas disseram que delegações de ambos os países provavelmente seriam lideradas pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e pelo ministro das Relações Exteriores dos Emirados, Abdullah bin Zayad, irmão do príncipe herdeiro de Abu Dhabi.

As autoridades, que falaram sob condição de anonimato, disseram que a cerimônia será realizada no gramado sul, no jardim das rosas ou no interior, dependendo do clima.

O gabinete de Netanyahu emitiu uma declaração em nome do premiê na noite desta terça-feira, confirmando sua presença. “Estou orgulhoso de viajar para Washington na próxima semana, a convite do presidente Trump, e de participar da histórica cerimônia da Casa Branca que estabelece o acordo de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos”, disse o primeiro-ministro.

Hend al-Otaiba, oficial sênior dos Emirados Árabes Unidos, também emitiu uma declaração confirmando a presença de Bin Zayed, acrescentando que a cerimônia “será uma ocasião importante na história de nossos dois países e da região”.

Vários diplomatas árabes, incluindo de países que não têm laços formais com Israel, devem comparecer à cerimônia, em uma tentativa de mostrar que o acordo tem amplo apoio, informou o site de notícias Walla.

A cerimônia acontecerá apenas um mês após o acordo para estabelecer relações diplomáticas plenas foi anunciado em 13 de agosto. O acordo entregou uma vitória chave da política externa para o presidente dos EUA, Donald Trump, enquanto ele busca a reeleição, e refletiu uma mudança no Oriente Médio, em que as preocupações comuns sobre o arqui-inimigo Irã superaram amplamente o tradicional apoio árabe aos palestinos.

De acordo com Walla, Israel e os Estados Unidos ainda estão trabalhando para um avanço diplomático com outro Estado árabe antes da cerimônia de assinatura, porém não está claro se isso será possível.

Embora as autoridades em Israel e nos Estados Unidos tenham afirmado, após o anúncio dos Emirados Árabes Unidos, que outro país ou mais viria a seguir a iniciativa em dias ou semanas, essas expectativas diminuíram. Outros estados árabes que supostamente estão em negociações com Israel mostraram relutância em qualquer coisa mais forte do que um gesto de boa vontade, em vez disso insistindo que um acordo de paz com os palestinos impede qualquer normalização.

O anúncio inicial do acordo de normalização entre Israel e os Emirados Árabes Unidos foi seguido pelo primeiro voo comercial direto entre os países, o estabelecimento de ligações telefônicas e compromissos de cooperação em várias áreas.

Os Emirados Árabes Unidos estão planejando enviar uma delegação oficial a Israel em 22 de setembro para avançar nos esforços de normalização. A delegação será “em retribuição” à viagem a Abu Dhabi na semana passada por altos funcionários israelenses e norte-americanos, disse uma fonte à agência de notícias Reuters.

Jared Kushner, genro e conselheiro do presidente Donald Trump dos EUA, liderou a delegação que visitou Abu Dhabi na semana passada no primeiro voo direto israelense do Aeroporto Ben Gurion, fora de Tel Aviv. Também estiveram na viagem o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, e seu homólogo israelense, Meir Ben-Shabbat.