Israel já vacinou mais de 10% da sua população

Israel superou na sexta-feira (01/01) a marca de um milhão de pessoas vacinadas contra a covid-19, mais de 10% da população do país. O número foi atingido 12 dias após o governo israelense dar início a uma campanha de imunização em massa no país, que tem pouco mais de 9 milhões de habitantes.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu acompanhou o momento em que o milionésimo israelense recebeu a vacinação na cidade de Umm al-Fahm, de maioria árabe. Netanyahu disse que foi um momento de “grande emoção”. Só na quinta-feira, Israel aplicou vacinas para 153.400 pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde.

Mais de 40% das pessoas com mais de 60 anos no país já receberam a primeira de duas doses da vacina Pfizer/BioNTech.

“É importante para mim que todos nós e a população árabe no Estado de Israel sejam vacinados rapidamente, isso é importante porque se trata de salvar vidas e só então poderemos voltar à vida normal”, afirmou Netanyahu numa mensagem publicada no Twitter.

“Trouxemos milhões de vacinas para Israel, mais do que qualquer outro país do mundo, e as levamos para todos os cidadãos israelenses: judeus e árabes, religiosos e seculares”, afirmou o premiê em outra mensagem. Netanyahu prevê que nesse ritmo o país pode deixar a pandemia para trás a partir de fevereiro. No dia do lançamento da campanha de vacinação, Netanyahu foi primeiro israelense a ser vacinado, como forma de incentivar a população.

Israel tem vacinado a população num ritmo bem à frente de outros países Segundo dados do projeto Our Work in Data, da Universidade de Oxford, Israel já vacinou 11,5 de cada 100 habitantes do país. O Reino Unido, por exemplo, vacinou 1,47. Os EUA, 0,83, embora os dois últimos países estejam à frente de Israel em número absoluto de doses aplicadas. A China, por sua vez, já aplicou 4,5 milhões de doses, mas isso só representa 0,31% da sua população.

As infecções por coronavírus aumentaram em Israel recentemente, levando o país a import um novo lockdown – o terceiro desde o início da pandemia – para reduzir a propagação da doença. Na sexta-feira, o país somou 5.084 novas infecções. Ao todo, a pandemia provocou 3.325 mortes no país. O total de casos da doença chega a 423 mil.