Israel pretende imunizar o país inteiro até a metade do ano

Israel está vivendo o sonho de todo o mundo: vacinar toda a população contra o novo coronavírus. Mais de um milhão de pessoas no país já tomaram a dose da vacina Pfizer-BioNTech, que começou a ser aplicada no dia 20 de dezembro. Estão sendo vacinadas, todos os dias, 150 mil pessoas.

Considerando que a população de Israel tem quase 9 milhões de pessoas (o tamanho do estado do Rio de Janeiro, por exemplo) isso representa que mais de 10% dos habitantes já receberam a primeira dose.

A expectativa é de que profissionais da saúde, pessoas com mais de 60 anos e as que se encontram em grupos de maior risco possam receber a segunda dose até final de janeiro.

Segundo o ranking do Our World in Data, que, entre outros estudos, divulga o ranking do avanço da vacinação pelo mundo, Israel está muito à frente da segunda posição, o Reino do Bahrein (localizado na Ásia).

A expectativa do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu é de que, em março ou abril, metade da população já esteja vacinada e que, no meio do ano, todos os habitantes do país já tenham recebido, pelo menos, a primeira dose.

Mas por que Israel vacinou tanta gente em tão pouco tempo?

Se a primeira resposta que lhe veio à cabeça foi o número pequeno de habitantes, saiba que esse não é o único catalisador.

A adesão da população e a rapidez da aplicação da primeira dose da vacina se deu por conta de dois pontos importantes: uma sólida campanha nacional de vacinação e um sistema de saúde comunitário e digitalizado.

Assim como em todo mundo, Israel também luta contra as notícias falsas sobre vacinas. Para agravar a situação, o governo receava a resistência de grupos religiosos ortodoxos, que representam em torno de 10% da população.

Uma importante figura que aderiu à campanha de vacinação foi o rabino ultraortodoxo Yitzchok Zilberstein, que escreveu uma nota pública dizendo que os perigos da vacinação são “insignificantes” diante da ameaça do vírus.

Outras celebridades e autoridades religiosas também se deixaram fotografar sendo vacinadas, o que facilitou a adesão da população ortodoxa.